Contato

SOF

Como prevenir a retinopatia e outras doenças oftalmológicas em pacientes diabéticos?

| 29 mar 2018 | ID: sof-37598
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

Como medidas de prevenção para retinopatia e outras doenças oftalmológicas em pacientes diabéticos deve-se buscar controlar dos fatores de risco, dentre os quais:(1,2)

Hiperglicemia: Manter o controle glicêmico é fundamental para reduzir a incidência e a progressão da retinopatia em pacientes com diabetes. Uma meta glicêmica razoável para a maioria dos pacientes é uma hemoglobina glicosilada (A1C) ≤ 7%.
Hipertensão artéria: Manter o controle da pressão arterial diminui a incidência e retarda a taxa de progressão da retinopatia diabética, e contribui para redução do risco de hemorragia vítrea. O ideal é que a pressão arterial mantenha-se inferior a 140/90 mmHg.
Dislipidemia: É necessário manter as taxas de lipídeos e triglicerídeos dentro do padrão. A maioria dos pacientes com diabetes tipo 2 requer tratamento com estatinas para controlar a dislipidemia.
Tabagismo: Parar de fumar é muito importante, pois o fumo danifica os vasos sanguíneos o que contribui para acelerar o desenvolvimento da retinopatia.
Falta de acompanhamento oftalmológico: o acompanhamento oftalmológico de pacientes com diabetes é fundamental para evitar que complicações oftalmológicas evoluam rapidamente. De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e a Academia Americana de Oftalmologia (AAO), todo paciente portador de Diabetes Tipo I deve ter o seu primeiro exame oftalmológico em até 5 anos do diagnóstico da doença, enquanto que os portadores de Diabetes Tipo 2 devem realizar exames oftalmológicos na mesma época do diagnóstico. A periodicidade do rastreamento é importante para garantir a relação de custo-efetividade da intervenção preventiva, sugere-se que este rastreamento seja realizado anualmente.
Diabetes em gestante: Durante a gestação os níveis glicêmicos podem desregular, podendo levar ao aparecimento de diabetes gestacional ou descontrolar o diabetes preexistente, podendo acelerar o quadro da retinopatia diabética. Por isso, as mulheres com DM que planejam engravidar devem ser alertadas sobre os riscos de piora da retinopatia diabética. Antes da gravidez e no primeiro trimestre desta, deve ser feita avaliação da retina. O acompanhamento na gravidez deverá ser estabelecido de acordo com as alterações observadas, mas deverá ser feito, no mínimo, a cada três meses. O controle será mais frequente se a paciente mostrar modificações retinianas ou apresentar hipertensão arterial.
Sedentarismo: Estudos epidemiológicos observacionais recentes sugerem fortemente que os baixos níveis de atividades físicas podem ter uma relação direta e significativa com hipertensão arterial, obesidade, diabetes mellitus, síndrome metabólica e doença cardiovascular(3). Dessa forma a atividade física regular deve ser incentivada.
Complementação
Existem várias complicações oftalmológicas em pacientes diabéticos, e a mais prevalente delas é a Retinopatia Diabética (RD) que acomete cerca de 40% dos pacientes diabéticos e é a principal causa de cegueira em pacientes entre 25 e 74 anos(4). O edema macular, também tratável, é outra complicação ocular do diabetes associada à diminuição importante da acuidade visual e pode acometer pessoas em todas as fases da retinopatia(1).
Além da retinopatia e edema macular, outras doenças oculares são encontradas com maior frequência no diabetes, como a catarata e o glaucoma de ângulo aberto. Pode haver também oftalmoplegia, com paralisia de músculos extraoculares, envolvendo o terceiro, o quarto e o sexto pares cranianos. Em casos de paralisia, deve ser feito o diagnóstico diferencial com outras neuropatias e mesmo com AVC. É importante lembrar que os índices de refração alteram-se agudamente conforme os níveis glicêmicos. Por essa razão, a prescrição de lentes corretivas só deve ser realizada quando a pessoa atingir o melhor controle possível por, pelo menos, três a quatro semanas(1).
A prevalência de retinopatia diabética aumenta com a duração da diabetes.
Nas fases iniciais a retinopatia é assintomática, não sendo possível detectá-la sem a realização de fundoscopia. A retinopatia pode ser graduada em retinopatia não proliferativa leve, moderada ou grave e retinopatia proliferativa(1,2).
Além do controle metabólico e da pressão arterial, os pacientes com retinopatia grave ou proliferativa ou suspeita de edema macular diabético podem ser encaminhados para o oftalmologista para avaliação da necessidade de fotocoagulação. A fotocoagulação (laser de argônio) reduz o risco de cegueira em cinco anos em 90% e a taxa de desenvolvimento da perda de visão por edema de mácula em cerca de 50%. Esse efeito é primariamente preventivo, pois não reverte a perda visual que já ocorreu(1).

Atributos da APS
Pacientes que apresentam doenças crônicas como diabetes, devem ter garantida sua consulta de cuidado continuado para controle de fatores de risco que podem propiciar o aparecimento de outros problemas de saúde.

Bibliografia Selecionada

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_36.pdf
2. Fraser CE, D’Amico DJ. Diabetic retinopathy: Prevention and treatment. (Internet, acesso em 16/03/2017) UpToDate, 2016. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/diabetic-retinopathy-prevention-and-treatment?source=search_result&search=oftalmopatias%20relacionadas%20ao%20diabetes&selectedTitle=5~150
3. Beunza JJ, Martínez-González MA, Ebrahim S, et al. Sedentary behaviors and the risk of incident hypertension: the SUN Cohort. Am J Hypertens. 2007;20(11):1156-62. Disponível em: https://academic.oup.com/ajh/article/20/11/1156/199192
4. Gross JL, Nehme M. Detecção e tratamento das complicações crônicas do diabetes melito: Consenso da Sociedade Brasileira de Diabetes e Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Rev. Assoc. Med. Bras. 1999. July/Sept.; 45(3): 279-284. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-42301999000300014&script=sci_arttext