Contato

SOF

Como tratar Leptospirose na gestação?

| 09 jan 2019 | ID: sof-40609
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

A antibioticoterapia é o tratamento indicado em qualquer período da doença, mas sua eficácia parece ser maior na primeira semana do início dos sintomas.1 O tratamento indicado não oferece riscos em caso de gestação.1

Para gestantes, na fase precoce da doença, recomenda-se: amoxicilina 500mg, VO (via oral), 8/8h, por 5 a 7 dias.1 A azitromicina ou claritromicina são alternativas para pacientes com contraindicação para uso de amoxicilina.
Destaca-se que a Doxiciclina deve ser evitada.1
Na fase tardia da doença, optar por um dos esquemas abaixo para uso durante 7 dias:
*Penicilina G Cristalina: 1.5 milhões UI, IV, de 6/6 horas;
# ou Ampicilina : 1 g, IV, 6/6h;
# ou Ceftriaxona: 1 a 2 g, IV, 24/24h
#ou Cefotaxima: 1 g, IV, 6/6h.
*Alternativa: Azitromicina 500 mg, IV, 24/24h1.
A infecção em mulheres grávidas pode ser grave, levando a morbidade e mortalidade fetal e materna grave.2 A apresentação pode mimetizar outras infecções virais, bacterianas e parasitárias, fígado gorduroso agudo, hipertensão induzida pela gravidez e síndrome HELLP.2
Devido à apresentação incomum, a leptospirose na gravidez é freqüentemente diagnosticada erroneamente e subnotificada.2 Caracteriza-se por ser uma zoonose de elevada incidência no país, com uma média de 13.000 casos notificados por ano, sendo 3500 confirmados e letalidade média de 10,8%1,3. Atinge, em sua maioria, pessoas na faixa etária produtiva, dos 20 aos 49 anos.1
A média de internações de pacientes chega a 75 %, mostrando a gravidade da maioria dos casos detectados pelo sistema de vigilância.1 Isto destaca a importância para o diagnóstico precoce e tratamento oportuno, como forma de reduzir a gravidade da doença.1
A leptospirose ocorre em todo o território nacional, durante todos os meses do ano, principalmente nos meses chuvosos, favorecendo a ocorrência de surtos.1,3,4 Em áreas urbanas, principalmente nas capitais e regiões metropolitanas, apresenta um caráter epidemiológico mais grave, devido a altas aglomerações populacionais de baixa renda, que vivem à beira de córregos, em locais com infra-estrutura sanitária precária e com infestações de roedores, que são fatores que predispõem ao aparecimento de pacientes de leptospirose.1,3,4 Um dos objetivos do Sistema Nacional de Vigilância da Leptospirose é diagnosticar e tratar de modo oportuno com vistas à redução da letalidade.1
Atributos da APS
* Acesso -  O acesso precoce e universal ao pré-natal e a realização dos exames clínicos e laboratoriais de rotina previnem complicações obstétricas graves como algumas infecções perinatais. Isso possibilita referenciar gestantes com diagnóstico de infecções graves para níveis de assistência secundário ou terciário, quando necessários.
* Longitudinalidade – Sempre que possível esta gestante deve ser acompanhada pela mesma equipe de ESF durante pré-natal e puerpério para adequada orientação e identificação precoce de sinais de gravidade.
* Orientação Comunitária – O trabalho educativo junto a comunidade é de extrema importância para que entendam como a Leptospirose é transmitida e saibam como evitar a contaminação.
SOF relacionada:
Quando suspeitar de leptospirose?

 

Bibliografia Selecionada

1.Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília; 2014. http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/dezembro/02/Miolo-manual-Leptospirose-17-9-2014.pdf
2.Puliyath G, Singh S. Leptospirosis in pregnancy. Eur J Clin Microbiol Infect Dis. 2012;31(10):2491-6. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs10096-012-1625-7
3.Costa F, Hagan JE, Calcagno J, et al. Global Morbidity and Mortality of a Leptospirosis: A Systematic Review. PloS Negl Trop Dis. 2015 Sep 17;9(9):e0003898.Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4574773/
4.Mwachui MA, Crump L, Hartskeerl R, Zinsstag J, Hattendorf J. Environmental and Behavioural Determinants of Leptospirosis Transmission: A Systematic Review. PloS Negl Trop Dis. 2015 Sep 17;9(9):e0003843. Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0003843