Contato

SOF

Existe benefício para suplementação de vitamina D em crianças e adolescentes?

| 24 out 2016 | ID: sof-35619
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

Os benefícios de suplementação de vitamina D vêm sendo amplamente estudados. Um , estudo de meta-analise avaliou o uso prolongado de vitamina D, por mais de 3 anos, e verificou uma associação eficaz da suplementação na prevenção da mortalidade geral. Entretanto, mais estudos são necessários para mostrar a eficácia da suplementação com vitamina D para prevenir câncer e doença cardiovascular1.
Em crianças, um dos principais benefícios de suplementação da vitamina D é evitar o raquitismo, que é a fase avançada do estado de deficiência entre as crianças em crescimento. Para isso, recomenda-se a ingestão de pelo menos 400 UI / dia de vitamina D para lactentes, crianças e adolescentes.
Esta recomendação levou em consideração que: a exposição a luz solar não pode ser determinada adequadamente para cada pessoa; há uma nova consciência dos perigos da radiação ultravioleta-B e exposição à luz solar na infância e o posterior desenvolvimento do câncer de pele na idade adulta e; a diminuição da ingestão de alimentos enriquecidos com vitamina D entre as crianças e adolescentes 2,3,4.
Lactentes amamentados parcialmente devem ser suplementados com 400 UI / dia de vitamina D começando nos primeiros dias de vida. Essa dose de suplementação deve ser mantida a menos que o bebê seja desmamado. O leite integral não deve ser utilizado antes dos 12 meses de idade. Nas crianças entre 12 meses e 2 anos de idade que tem excesso de peso ou obesidade ou que têm uma história familiar de obesidade, dislipidemia, ou doença cardiovascular, ou a utilização de baixo teor de gordura do leite seria apropriado suplementação de Vitamina D3 (Grau A de evidência).
Lactentes não amamentados, bem como as crianças mais velhas que estão ingerindo 1000 mL / dia de leite que não é fórmula infantil fortificada com vitamina D devem receber prescrição de vitamina D, suplemento de 400 IU / dia. Outras fontes alimentares de vitamina D, tais como: alimentos enriquecidos, devem ser incluídos na ingestão diária de cada criança3.
Os adolescentes que não conseguem obter 400 UI de vitamina D por dia, através do leite enriquecido com vitamina D (100 UI) e alimentos fortificados com vitamina D, tais como, cereais enriquecidos em ovos com gemas devem receber suplemento de vitamina D de 400 IU / dia.Estas orientações vêm de ensaios clínicos, baseado na segurança de aporte adequado de 400 UI de vitamina D por dia para a população pediátrica e de adolescente e, mostram um papel potencial para vitamina D na manutenção da imunidade inata e prevenção de doenças tais como a diabetes e câncer (Grau A de evidência).

Com base nas evidências disponíveis, as concentrações séricas de 25 Hidroxi vitamina D (25-OH) em bebês e crianças devem ser de 50 nmol /L. Crianças com aumento do risco de deficiência de vitamina D tais como aqueles com má absorção de gordura e aqueles que cronicamente tomam medicamentos anticonvulsivantes, há maior dificuldade de suplementação eficaz, apesar de uma ingestão de 400 UI/dia. Maiores doses de suplementação de vitamina D podem ser necessárias para atingir níveis normais de vitamina D nessas crianças, e este status deve ser determinado com testes de laboratório (por exemplo, concentrações séricas 25-OH vitamina D e medidas de níveis de Hormônio da Paratireoide). Embora haja recomendação da avaliação dos5. (Grau C de evidência).
Os profissionais devem fornecer instruções explícitas aos pacientes em relação às preparações, dosagens e administrações que contêm concentrações mais elevadas de vitamina D, que só devem ser prescritas de acordo com evidentes necessidades dos pacientes (por exemplo, aqueles que sofrem de má absorção ou usam medicações depletoras). Associações em multivitamínicos, cujas concentrações podem estar abaixo da necessidade, devem ser evitadas. Os suplementos somente com vitamina D são recomendados, pois evitam riscos de sub ou sobre dosagem e toxicidade, quando comparados as associações com outras vitaminas3.
A suplementação deve prevenir a deficiência de vitamina D e de raquitismo para todos os bebês e crianças, incluindo aqueles com doenças crônicas, que podem ter diminuição da absorção de vitamina D 4,5. O suplemento ideal deve conter apenas a vitamina D, pois muitos suplementos atualmente disponíveis para lactentes contêm vitaminas adicionais. Tal suplementação não deve interferir com o estabelecimento do aleitamento materno. Crianças e adolescentes devem ser incentivados para a adoção de hábitos alimentares saudáveis e estilo de vida adequado, incluindo o consumo de alimentos fonte de vitamina D (por exemplo, peixes marinhos) e a prática de atividades ao ar livre associada à exposição solar segura 3 .

Bibliografia Selecionada

  1. Zheng Y, et al. Meta-Analysis of Long-Term Vitamin D supplementation on overall mortality. PLoS One. 2013; 8(12): e82109. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3857784/. Acesso em: outubro de 2016.
  2. Greer F. Issues in establishing vitamin D recommendations for infants and children.  Am J Clin Nutr 2008;80(suppl):1759S– 62S. Disponível em: http://ajcn.nutrition.org/content/80/6/1759S.long
  3. Casey CF, Slawson DC, Neal LR. Vitamin D supplementation in infants, children, and adolescents.  American Family Physician. Volume 81, Number 6, 2010. Disponível em: http://www.aafp.org/afp/2010/0315/p745.html
  4. Wagner CL, Greer FR. Prevention of rickets and Vitamin D deficiency in infants, children, and adolescents. Pediatrics 2008, volume 122, n. 5. Disponível em: http://pediatrics.aappublications.org/content/122/5/1142
  5. McNally JD, et al. Rapid Normalization of Vitamin D Levels: A Meta-Analysis. Pediatrics. Volume 135, number 1, 2015 Disponível em: http://pediatrics.aappublications.org/content/pediatrics/early/2014/12/09/peds.2014-1703.full.pdf