Contato

SOF

O que provoca a enxaqueca no período menstrual e como deve ser o manejo na APS ?

| 29 mar 2018 | ID: sof-37602
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

A enxaqueca (migrânia) menstrual é provocada pela queda nas concentrações de estrogênio no organismo, que normalmente ocorre poucos dias antes do período menstrual, como consequência do funcionamento normal do ciclo menstrual(1).

Há três estratégias de tratamento para enxaqueca menstrual dentre as quais: tratamento agudo “reforçado” utilizado nos casos de enxaqueca que apresenta maior dificuldade de tratar em relação às outras crises de enxaqueca mais usuais ; mini-prevenção tratamento utilizado antes e durante a “janela menstrual”; e prevenção de longo prazo, no qual um tratamento preventivo diário é utilizado ao longo do mês(1).
Tratamento agudo “reforçado” (1,2)
Uma triptana de ação rápida, tais como sumatriptana, rizatriptana, zolmitriptana, almotriptana ou eletriptana, administrada no início da crise de enxaqueca, e associada com um medicamento anti-inflamatório não-esteróide (AINE), tais como naproxeno ou ibuprofeno tomados ao mesmo tempo, pode ser suficiente.
Estratégias de mini-prevenção(1)
Quando tomados duas vezes por dia, durante os 5-7 dias em torno da “janela menstrual”, os AINEs podem diminuir ou eliminar a enxaqueca menstrual.
Suplementação de estrogênio na forma de comprimido, gel vaginal ou adesivo de estrogênio pode ser usada durante a semana menstrual para evitar a queda de estrogênio natural que desencadeia a enxaqueca menstrual. Essa abordagem é mais fácil de ser usada naquelas mulheres com ciclos menstruais regulares e previsíveis. Muitas vezes isso é mais conveniente se a mulher já está tomando a pílula anticoncepcional ou usando o anel vaginal inserido para a contracepção.
Magnésio começando no 15° dia do ciclo menstrual e continuando até a o início da menstruação é outra estratégia de mini-prevenção que foi determinada como eficaz. Como o tratamento começa 15 dias após a menstruação, não é necessário dispor de um ciclo regular previsível para iniciar essa prevenção, tornando-se uma intervenção versátil e segura.
Prevenção contínua(1)
Em mulheres com ciclos menstruais irregulares ou naquelas em que a mini-prevenção não funcionou, estratégias de tratamento utilizadas durante todo o mês podem ser a melhor opção. O uso de pílulas anticoncepcionais continuamente de tal forma que não há pausa para que ocorra menstruação pode ser uma forma eficaz de reduzir a chance do aparecimento da enxaqueca menstrual. Isso também pode ser realizado com o uso do anel vaginal, de modo que no momento em que o anel é removido, um novo é imediatamente inserido em vez de se esperar pelo fim da semana menstrual. Tipicamente, o tratamento é interrompido cada 3-6 meses possibilitando a ocorrência de um período menstrual, durante o qual um tratamento mais agressivo da enxaqueca menstrual pode ser aplicado ou mini-prevenção pode ser usada.
Complementação
A enxaqueca menstrual é uma condição bastante comum nas mulheres, podendo afetar até 60% das mulheres que já sofrem com enxaqueca(3).
A migrânea menstrual é definida com crises típicas de enxaqueca que ocorrem em todos, ou em quase todos, os meses, exclusivamente no período de dois dias que precedem a menstruação até o final do fluxo menstrual(2,3).
Um estudo realizado com 100 mulheres, entre 20 e 45 anos, que apresentava cefaleia menstrual, teve como resultado a ocorrência de migrânea sem aura em grande parte da amostra, de intensidade severa no primeiro dia de dor, com redução gradativa nos dias seguintes e predominantemente latejante. A maior parte começou dois dias antes do início do ciclo menstrual. Náuseas e/ou vômitos foram os sintomas associados mais frequentes. Além dos casos de migrânea, foram diagnosticados nove casos de cefaleia do tipo tensional, dois casos de cefaleia cervicogênica e um caso de cefaleia em pontadas(4).
Além do período em que essa dor aparece, outras características podem ajudar a definir se a enxaqueca é menstrual ou não. Geralmente, esse tipo de cefaleia costuma ser mais intensa do que quando acontecem alguns dias antes e depois da menstruação, e também pode fazer com que as mulheres fiquem mais sensíveis à luz(1).
Manter um diário das crises de dor de cabeça, marcando quando elas ocorrem em relação ao ciclo menstrual, assim como a intensidade e resposta ao tratamento habitual, ajudará a determinar a presença ou ausência de enxaqueca menstrual, que ocorre em cerca de 60% das mulheres com enxaqueca(1).
Atributos da APS
A enxaqueca é um problema que afeta grande parte da população, interfere na qualidade de vida dos indivíduos e diminui o rendimento de suas atividades diárias.
O acesso desses pacientes ao serviço de saúde poderá contribuir para amenizar esse sofrimento, identificar possíveis complicações e intervir precocemente.

Bibliografia Selecionada

1. Tepper D, Valença M. Enxaqueca (Migrânea) Menstrual [Internet]. Headache. 2014 Feb; 54(2):403-8. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/head.12281
2. Ribeiro RL, Carvalho DS. Cefaleia Associada aos Ciclos Hormonais da Mulher. Rev. Neurociências. 2000;8(3):93-98. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2000/RN%2008%2003/Pages%20from%20RN%2008%2003-3.pdf
3. Miziara L, Bigal ME, Bordini CA, Speciali JG. Cefaleia Menstrual:estudo semiológico de 100 casos. Arq Neuro-Psiquiatr. 2003 Sep;61(3-A):596-600. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/anp/v61n3A/a13v613a.pdf
4. Duncan BB. Medicina Ambulatorial: Condutas de Atenção Primária Baseadas em Evidências, 4ed. Porto Alegre: ArtMed, 2013.