Contato

SOF

Quais os anestésicos locais estão indicados para o uso em gestantes?

| 25 ago 2009 | ID: sof-2610
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

Para as gestantes, no que se refere à classe dos anestésicos, deve-se decidir pela anestesia local. Quanto aos anestésicos locais não existem contra indicações; entretanto, devem-se observar aspectos relacionados a: técnica anestésica; quantidade da droga administrada; uso de vasoconstritores; efeitos citotóxicos e possibilidade de problemas no feto. Sempre que possível, uma terapêutica de espera deverá ser mantida para os três primeiros meses, como por exemplo, o adiamento de uma exodontia, mais com relação à intervenção cirúrgica do que com a anestesia em si.
Todavia, algumas evidências devem ser consideradas durante o processo de anestesia local em gestantes. O anestésico local pode afetar o feto de duas maneiras: diretamente (quando ocorrem altas concentrações na circulação fetal) e indiretamente (alterando o tônus muscular uterino ou deprimindo os sistemas cardiovascular e respiratório da mãe) (Oliveira, 1990).
A lidocaína é o anestésico mais apropriado para as gestantes, segundo a literatura pesquisada. Prilocaína e articaína não devem ser usadas por poderem levar à metahemoglobinemia, tanto na mãe quanto no feto (Malamed, 2004). A bupivacaína apresenta a maior cardiotoxicidade, maior penetrabilidade nas membranas do coração e maior resistência após eventual parada cardíaca. Em relação à mepivacaína, mais pesquisas devem ser realizadas já que seus riscos para o feto não são bem detalhados, portanto, seu uso é desaconselhado.
Quanto ao uso dos vasoconstrictores em gestantes, quando os benefícios superarem os riscos, os mesmos devem ser utilizados. Sem vasoconstrictor, o anestésico pode não ser eficaz, além de seu efeito passar mais rapidamente. A dor resultante pode levar o paciente ao estresse, fazendo com que haja liberação de catecolaminas endógenas em quantidades muito superiores àquelas contidas em tubetes anestésicos e, consequentemente, mais prejudiciais. A felipressina deve ser evitada em pacientes grávidas por ser derivada da vasopressina e, teoricamente, ter capacidade de levar à contração uterina. Noradrenalina na concentração 1:25.000 e 1:30.000 não devem ser usadas, tendo em vista o grande número de complicações cardiovasculares e neurológicos causados por essa substância, sendo a concentração 1:50.000 a mais indicada (De Castro et al., 2002).

Bibliografia Selecionada

  1. Paiva LC, Cavalcanti AL. Anestésicos locais em odontologia: uma revisão de literatura. Publ UEPG Ci Biol Saúde. 2005;11(2):35-42. Disonível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/biologica/article/viewFile/414/417 Acesso em: 25 agosto 2005.
  2. Castro FC, Meneses MTV, Pordeus IA, Paiva SM. Tratamento odontológico no período da gravidez: enfoque para o uso de anestésicos locais. JBC. 2002;6(31):62-7.
  3. Ferreira MBC. Anestésicos locais. In: Wannmacher L, Ferreira MBC. Farmacologia clínica para dentistas. Rio de Janeiro:Guanabara-Koogan; 1999. Cap. 16. p.104-116.
  4. Malamed SF. Manual de anestesia local. 5a ed. São Paulo: Elsevier; 2004. Disponível em: http://blogelseviersaude.elsevier.com.br/wp-content/uploads/2013/12/e-sample-Malamed.pdf Acesso em: 25 agosto 2009.
  5. Oliveira MFM. Atendimento odontológico na gravidez. São Paulo: Santos; 1990.