Contato

SOF

Quais são as indicações de dosagem e reposição de vitamina D em pacientes assintomáticos?

| 08 ago 2018 | ID: sof-39962
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

Não está recomendada avaliação rotineira (rastreamento) de deficiência de vitamina D para pacientes adultos assintomáticos (gestantes ou não gestantes). No entanto, algumas populações de risco têm maior chance de apresentar deficiência e a dosagem pode ser recomendada:
- uso de medicamentos que influenciam no metabolismo mineral e funcionamento da vitamina D (anticonvulsivantes, glicocorticoides, antirretrovirais, antifúngicos sistêmicos);
- pessoas institucionalizadas ou internadas;
- pessoas com doenças associadas com desabsorção (doença celíaca, doença inflamatória intestinal);
- pessoas com pouca exposição ao sol;
- obesos;
- fototipo V e VI.

Essas indicações não estão relacionadas a pacientes com doenças ósseas como osteoporose, osteomalácia ou outras condições de redução de massa óssea. Recomenda-se tratamento para pacientes com níveis séricos de vitamina D < 20 ng/mL. A suplementação pode ser feita com diversos esquemas:
- 50.000 UI, 1 vez por semana por 8 semanas;
- 6.000 UI ao dia, por 8 semanas;
- 3.000 a 5.000 UI ao dia, por 6 a 12 semanas.
Pacientes com desabsorção, falhas prévias ou deficiência grave (< 10 ng/dL) podem necessitar de doses maiores. Alguns pontos são polêmicos nessas recomendações:
- O ponto de corte de 20 ng/dL é discutível e, alguns autores reforçam que para a maioria da população, níveis > 12,5 ng/mL seriam suficientes.
- Até o momento, nenhum estudo clínico mostrou benefício para desfechos não ósseos na reposição de vitamina D. Mesmo para desfechos ósseos, esse benefício é questionável.
- A decisão de dosagem e tratamento deve ser individualizada, pesando as preferências do paciente e as incertezas da literatura médica no momento atual.

Bibliografia Selecionada

1. Bolland MJ, et al. Vitamin D supplementation and falls: a trial sequential meta-analysis. Lancet Diabetes Endocrinol. 2014;2(7):573-580. [acesso em 22 de jun de 2018]. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/landia/article/PIIS2213-8587(14)70068-3/fulltext
2. Dawson-Hughes B. Vitamin D deficiency in adults: Definition, clinical manifestations, and treatment [Internet]. Waltham (MA): Uptodate, 2017.  [acesso em 22 de jun de 2018]. Disponível em: http://www.uptodate.com/contents/vitamin-d-deficiency-in-adults-definition-clinical-manifestations-and-treatment
3. Holick MF, et al. Evaluation, treatment, and prevention of vitamin D deficiency: an Endocrine Society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab. 2011;96(7):1911-1930. [acesso em 22 de jun de 2018]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21646368
4. Leblanc ES, et al. Screening for Vitamin D deficiency: A systematic review for the U.S. Preventive Services Task Force Free. Ann Intern Med. 2015;162(2):109-122. [acesso em 22 de jun de 2018]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25419719
5. Manson JE. Vitamin D deficiency – Is there really a pandemic? N Engl J Med. 2016;375(19):1817-1820. [acesso em 22 de jun de 2018]. Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMp1608005
6. Theodoratou E, et al. Vitamin D and multiple health outcomes: umbrella review of systematic reviews and meta-analyses of observational studies and randomised trials. BMJ. 2014; 348:g2035. [acesso em 22 de jun de 2018]. Disponível em: https://www.bmj.com/content/348/bmj.g2035
7. Us Preventive Services Task Force. Recommendations for Primary Care Practice. Vitamin D Deficiency: Screening [Internet]. Rockville, MD: USPFTF, 2014. [acesso em 22 de jun de 2018] Disponível em: https://www.uspreventiveservicestaskforce.org/Page/Document/UpdateSummaryFinal/vitamin-d-deficiency-screening