Contato

SOF

Quais são as orientações referentes à Febre Amarela podem ser repassadas, pelos profissionais de saúde, às comunidades que não possuem indicação para vacinação?

| 16 fev 2017 | ID: sof-35896
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

As orientações do Ministério da Saúde para os municípios que não têm indicação de vacinar contra febre amarela, são referentes à necessidade de combater o mosquito Aedes aegypti, visto que ele é o principal vetor de transmissão do vírus da febre amarela tanto na América do Sul como na África. (1,2) Outra orientação considerada medida importante para a prevenção é a vacinação dos viajantes que se desloquem para regiões silvestres, rurais ou de mata de áreas com recomendação de vacinar (ACRV). A imunização contra febre amarela deve ser feita no mínimo 10 dias antes da exposição a situações de risco, já que os anticorpos protetores aparecem entre o sétimo e décimo dia após a aplicação. (3,4) A vacina contra a febre amarela está disponível, gratuitamente nas Unidades Básica de Saúde em todos os municípios do Brasil. (5)

A principal estratégia de prevenção da reurbanização da febre amarela é a eliminação do Ae. aegypti que deve seguir as orientações do Programa Nacional de Controle da Dengue. (3) A luta contra o Ae. aegypti compreende medidas institucionais e comportamentais. Cabe ao poder público oferecer abastecimento adequado de água e coleta regular do lixo; estabelecer legislação sanitária municipal para abrigo de pneus usados e de material dos depósitos de ferro-velho expostos à chuva e fiscalizar seu cumprimento; exigir areia nos vasos dos cemitérios; limpar terrenos baldios; e aplicar larvicidas nos depósitos não elimináveis de água. Entre as medidas comportamentais, há necessidade de educação sanitária intensa para que a população elimine os criadouros preferenciais do mosquito, como manter cobertura de caixas-d’água, limpar quintais, drenar corretamente as calhas de água dos telhados, evitar deixar expostos recipientes que possam acumular água e trocar frequentemente a água de pratos e de vasos de flores. (1)

Outras medidas preventivas contra Febre Amarela: (3,6)

• Induzir a manutenção de altas taxas de cobertura vacinal em áreas infestadas por Ae. aegypti e com recomendação de vacina contra febre amarela;
• Orientar o uso de proteção individual das pessoas que vivem ou adentram áreas enzoóticas ou epizoóticas;
• Isolar os casos suspeitos durante o período de viremia, em áreas infestadas pelo Ae. aegypti;
• Realizar identificação oportuna de casos para pronta intervenção da vigilância epidemiológica;
• Implementar a vigilância laboratorial das enfermidades que fazem diagnóstico diferencial com febre amarela;
• Implementar a vigilância sanitária de portos, aeroportos e fronteiras: recomenda-se solicitar apresentação do certificado internacional de vacinação, com menos de dez anos da última dose aplicada para viajantes procedentes de países ou áreas endêmicas de febre amarela.

Atributos APS
O desenvolvimento das práticas educativas no SUS tem por base as ações de comunicação, imprescindíveis para fomentar os processos de mobilização. O objetivo dessas ações é a adesão das pessoas e da sociedade organizada, de maneira consciente e voluntária, para o enfrentamento de determinado problema. Tais ações podem estimular a mobilização, a partir de organizações sociais já existentes, e a criação de grupos ou associações que trabalhem em ações de prevenção e controle. (7)

Bibliografia Selecionada

  1. Tauil PL. Aspectos críticos do controle da febre amarela no Brasil. Rev Saúde Pública 2009. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v44n3/1665.pdf
  2. MONATH TP, VASCONCELOS PF. Yellow fever. J Clin Virol. 2015; 64:160–173. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25453327
  3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014.Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/27/guia-vigilancia-saude-linkado-27-11-14.pdf
  4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2008.Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pos-vacinacao.pdf
  5. Brasil. Ministério da Saúde. Portal Saúde. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/vigilancia-epidemiologica
  6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia de vigilância de epizootias em primatas não humanos e entomologia aplicada à vigilância da febre amarela / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epizootias_primatas_entomologia.pdf
  7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_prevencao_controle_dengue.pdf