Contato

SOF

Quais fatores de risco para ocorrência de parestesia do nervo alveolar inferior durante a remoção de molares inferiores que estejam em íntimo contato com o canal mandibular?

| 25 out 2018 | ID: sof-40882
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

Os fatores de risco à ocorrência de parestesia do nervo alveolar inferior são: a idade avançada do paciente, a dificuldade operatória do caso e a proximidade entre o terceiro molar inferior e o canal mandibular.

Essa proximidade poderá ser prevista por três sinais radiográficos: desvio do canal em direção aos ápices radiculares, presença de um escurecimento na região das raízes e interrupção da lâmina dura desses dentes.(1,2)
É de extrema importância o conhecimento da anatomia, durante o planejamento do ato cirúrgico para remoção dos molares inferiores, sendo fundamental saber que o nervo alveolar inferior após se ramificar do nervo mandibular, logo abaixo do forame oval, passa entre os músculos pterigóideo medial e lateral e penetra no forame mandibular, com a artéria e veia que o acompanham, imediatamente lateral ao músculo pterigóideo medial e ligamento esfenomandibular. Percorrendo o canal mandibular o nervo supre a polpa de todos os dentes de seu lado e a parte do ligamento periodontal, inervando ainda o lábio inferior e pele do mento através do ramo mentoniano(3,4). Desde a ramificação do nervo mandibular até a entrada do forame mandibular a incidência de variação em seu trajeto é relativamente pequena, em torno de 10%.(3,5)
É muito importante a avaliação de uma radiografia panorâmica prévia à cirurgia, para que se determine a posição dos molares inferiores com relação ao canal mandibular e de uma tomografia computadorizada, para os casos em que essa relação mostrar-se próxima(1,6). Além disso, no caso da necessidade de osteotomia deve ser feita sempre com um amplo campo de visão, com brocas em alta rotação e abundante refrigeração.(1,7)

Bibliografia Selecionada

1. Rosa FM, Escobar CAB, Brusco LC. Parestesia dos nervos alveolar inferior e lingual pós cirurgia de terceiros molares. RGO, Porto Alegre. 2007 jul./set.;55(3):291-295. Disponível em: http://www.revistargo.com.br/viewarticle.php?id=756&layout=abstract
2. Pogrel MA. The results of microneurosurgery of the inferior alveolar and lingual nerve. J Oral MaxillofacSurg. 2002; 60(5):485-9. Disponível em: https://www.joms.org/article/S0278-2391(02)13080-1/fulltext
3. Flores JA, Flores FW, Agostini RN, Cazarolli R.Parestesia do nervo alveolar inferior após exodontia de terceiros molares inferiores inclusos. Int J Dent, Recife. 2011 out/dez.;10(4):268-273. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/dentistry/article/view/14131/16995
4. Bari ML, Mcminn RMH, Hutchings, RT. Atlas Colorido de Anatomia de Cabeça e Pescoço. Segunda Edição. São Paulo: Editora Artes Médicas; 2000:P70.
5. Anil A, Peker T, Turgut HB, Gülekon IN, Liman F. Variations in the anatomy of the inferior alveolar nerve. Br J Oral Maxillofac Surg. 2003 Aug;41(4):236-9. Disponível em: https://www.bjoms.com/article/S0266-4356(03)00113-X/fulltext
6. Peterson L, Ellis E, Huup J, Tucker M. Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000:267-8.
7. Jerges W, Swinson B, Moles DR, El-Maaytah M, Banu B, Upile T et al. Permanent sensory nerve impairment following third molar surgery: a prospective study. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2006; 102(4):e1-7. Disponível em: https://www.oooojournal.net/article/S1079-2104(06)00029-1/fulltext