Contato

SOF

Qual a conduta frente a anquiloglossia (língua presa) em RN?

| 04 ago 2008 | ID: sof-191
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

O freio lingual é uma membrana mucosa aderida desde a base da língua até o rebordo alveolar. Esta estrutura no recém-nascido tem uma atuação importante no ato de sucção e amamentação. Um freio lingual curto dificulta os movimentos da língua e pode se apresentar bastante aderido ao assoalho da cavidade bucal. Este aspecto patológico é chamado anquiloglossia.
Logo após o nascimento, alguns RN apresentam incoordenação dos reflexos orais, necessitando de alguns dias para desenvolver um padrão mais maduro, o que pode ocorrer simultaneamente ao processo de apojadura, no terceiro ou quarto dia pós-parto.
Em regra a anquiloglossia é assintomática. Por vezes poderá interferir na amamentação e na pronúncia de alguns sons (dislálias). Mas não tem qualquer relação com os atrasos na linguagem. Claramente interfere na higiene oral e nas funções da língua que exijam a sua exteriorização.
No recém- -nascido (RN) a ponta da língua está incompletamente desenvolvida, aumentando de tamanho com o crescimento, ao invés do freio. Na maioria dos casos verifica-se a resolução da anquiloglossia, de forma progressiva, até aos 5 anos de idade. Só excepcionalmente os freios da língua necessitam de ser seccionados, mas em regra só após os 4 anos de idade. São indicações cirúrgicas precoces a anquiloglossia total e a clara se há interferência na amamentação. Este procedimento tem grau de evidência C. Poderá aconselhar-se cirurgia antes dos 4 anos nas situações muito marcadas de forma a prevenir os potenciais problemas na linguagem (dislálias) e na higiene oral.

 

 

Bibliografia Selecionada

  1. García Pola MJ, González García M, García Martín JM, Gallas M, Seoane Lestón J. A study of pathology associated with short lingual frenum. ASDC J Dent Child. 2002 Jan-Apr;69(1):59-62, 12.
  2. Guedes – Pinto, AC. Odontopediatria. 5a ed. São Paulo: Editora Santos; 1995.
  3. Howe GL. Cirurgia oral menor. 3a ed. São Paulo: Editora Santos;1995.
  4. Moyers, RE. Ortodontia. 4a ed. Rio de Janeiro: Guanabar Koogan; 1991.
  5. Neville B, Damm D, Allen C, Bouqout J. Oral and Maxillofacial Pathology. 2nd ed. Philadelphia, PA: W.B. Saunders Company; 2002. p.10-11; 69.
  6. Lalakea ML, Messner AH. Ankyloglossia: does it matter? Pediatr Clin North Am. 2003 Apr;50(2):381-97.
  7. Community Paediatrics Committee, Canadian Paediatric Society. Ankyloglossia and breastfeeding. Paediatr Child Health. 2002;7:269-70. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2794828/
  8. Levy P A. Tongue-tie: management of a short sublingual frenulum. Pediat Rev. 1995;16:345-6.