Contato

SOF

Qual é a toxicidade, o tempo de duração e as indicações e contra indicações de uso do anestésico local Articaína com Epinefrina?

| 09 ago 2018 | ID: sof-40279
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

A articaína apresenta toxicidade semelhante à da lidocaína, isto é os níveis plasmáticos para o início de reações tóxicas são de 4,5 μg/mL no Sistema Nervoso Central e de 7,5 μg/mL no sistema cardiovascular. A sobredosagem promove a estimulação inicial do Sistema Nervoso Central, seguida de depressão, convulsão e coma (1).

A presença de um anel tiofeno em sua estrutura química parece ser responsável pela maior difusão tecidual da articaína, permitindo seu uso em técnica infiltrativa, mesmo na mandíbula, dispensando assim o uso de técnicas anestésicas de bloqueio. Já foram documentados alguns casos em que foi possível realizar exodontias na maxila apenas com a infiltração de articaína na região vestibular. Seu uso em técnicas de bloqueio regional tem sido associado a um aumento na incidência de parestesia, provavelmente devido a concentração de 4%, maior do que a dos demais anestésicos mais comumente disponíveis no Brasil (1).
Tempo anestésico: a articaína apresenta rápido início de ação, entre 1-2 minutos (1). No que concerne a duração da anestesia durante as nossas pesquisas foi constatado que a articaína a 4% com epinefrina 1:100.000 apresenta duração de 50-60 minutos para dentes maxilares, de 90-100 minutos para dentes mandibulares e de 3-4 horas para tecido mole(2).
É valido saber que a dose máxima (mg/kg) de articaína a 4% com epinefrina 1:100.000 são sete tubetes, que o número de tubetes para um adulto com 70 kg são seis e que o número de tubetes para uma criança de 20 kg são um e meio tubetes (2).
A indicação do anestésico cloridrato de articaína + epinefrina é para a anestesia local, por bloqueio de nervo ou por infiltração, em procedimentos periodontais simples e complexos (3).
O anestésico cloridrato de articaína + epinefrina tem uso contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida aos anestésicos locais do grupo amida, a sulfitos ou a qualquer outra substância presente na fórmula e em pacientes sendo tratados com fármacos que produzem alterações na pressão arterial, como os inibidores da MAO (monoamina oxidase), antidepressivos tricíclicos e fenotiazinas. O uso deste produto em pacientes grávidas, durante a amamentação ou em pacientes asmáticos deve ser feito sob supervisão do profissional responsável (3).

Bibliografia Selecionada

1- Andrade ED. Anestesia local. In: Terapêutica Medicamentosa em Odontologia. 3ed. São Paulo: Artes Médicas, 2014; Cap. 5:p30-42.
2- Hupp JR, III Ellis E, Tucker MR. Princípios da exodontia simples. In: Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea. Tradução Débora Rodrigues da Fonseca et al. 5 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009; Cap. 07:p97-127.
3- Cloridrato de articaína + epinefrina. Evaldo Rodrigues de Oliveira CRF/RJ: nº 2897. DFL Indústria e Comércio S/A. Bula de remédio. Disponível em: http://novadfl.com.br/wp-content/blogs.dir/1/files_mf/1353421948Anestsicos_42855101076131.pdf Acesso: 25/05/2018