Contato

SOF

Qual o tratamento para cefaleia crônica diária secundária a abuso de analgésico?

| 14 nov 2018 | ID: sof-40367
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

Uma das causas mais comuns de cefaleia crônica diária é o abuso de analgésico. Esta condição é diagnosticada quando o paciente apresenta cefaleia por pelo menos 15 dias ao mês e faz uso de analgésicos simples por pelo menos 15 dias ou múltiplos analgésicos por pelo menos 10 dias. Na prática, devemos suspeitar sempre que o paciente tomar analgésicos pelo menos uma vez por semana.

Usualmente é decorrente de um quadro de migrânea ou cefaleia tipo tensional, que, com o uso abusivo de analgésicos, acaba por modificar as características da dor. Embora a maioria dos casos seja decorrente de quadros benignos, devemos sempre estar atentos para a presença de fatores de alerta para a cefaleia. O manejo dessa condição envolve os seguintes passos:
- Diagnosticar o tipo de cefaleia que desencadeou o abuso de analgésico, buscando as características iniciais da dor.
- Usualmente, o paciente apresenta cefaleia tipo tensional ou migrânea.
- Educar o paciente sobre a benignidade da cefaleia primária e sobre o uso abusivo de analgésicos levar a um quadro de cefaleia crônica.
- Suspender imediatamente o uso dos analgésicos.
- Iniciar “terapia-ponte”: prescrever de maneira fixa, independente da dor, antiinflamatório não esteroide ou corticoide, por uma semana. Sugere-se o uso de Naproxeno 550 mg, a cada 12 horas, por uma semana ou Prednisona 60 mg, uma vez por dia, durante uma semana.
- Iniciar medicamento profilático de acordo com o tipo de cefaleia que o paciente apresente, juntamente com a “terapia-ponte”. Se o paciente apresentar cefaleia tipo tensional, prescrever tricíclico em baixa dose; se apresentar enxaqueca, utilizar tricíclico em baixa dose, betabloqueador ou anticonvulsivante.
- Após o período da “terapia-ponte”, prescrever medicamento analgésico apropriado.
- Manter o seguimento e monitorar a frequência das crises e a tolerância ao medicamento profilático prescrito.

Bibliografia Selecionada

1. Bivanco-Lima D, et al. Cefaleia e enxaqueca. In: GUSSO, G.; LOPES, J. M. C. (Org.). Tratado de medicina de família e comunidade. Porto Alegre: Artmed, 2012. v. 2. p. 1779-1788.
2. Duncan BB, et al. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.
3. Garza I, Schwedt TJ. Overview of chronic daily headache. Waltham (MA): UpToDate, Inc., 2016. [acesso em 07 de nov de 2017]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/overview-of-chronic-daily-headache
4. Garza I, Schwedt TJ. Medication overuse headache: Treatment and prognosis. Waltham (MA): UpToDate, Inc., 2016. [acesso em 23 de mai de 2016]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/medication-overuse-headache-treatment-and-prognosis
5. Harzheim E, Agostinho MR, Katz N (Org.). Protocolos de regulação ambulatorial: neurologia adulto [Internet]. Porto Alegre: TelessaúdeRS/UFRGS, 2015. [acesso em 07 de nov de 2017. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/protocolos_resumos/protocolo_encaminhamento_neurologia_TSRS_20160324.pdf
6. Sociedade Internacional de Cefaleias. Classificação Internacional de Cefaleias. 3. ed. Lisboa: Sociedade Internacional de Cefaleias, 2014.