Contato

SOF

Qual profissional de saúde tem competência para avaliação do pé diabético com uso de estesiômetro?

| 24 mar 2017 | ID: sof-36387
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

A avaliação regular dos pés da pessoa com Diabetes Mellitus (DM) com estesiômetro, deve ser realizada por profissionais de nível superior e/ou profissional capacitado 7 segundo a periodicidade recomendada 1; 16 . Contudo ressalvamos de que é de responsabilidade da equipe multidisciplinar da Atenção Básica em Saúde/Atenção Primária em Saúde (ABS/APS) realizar avaliação e acompanhamento integral a pessoa portadora de pé diabético ou DM; conforme descrito no Manual do pé diabético do Ministério da Saúde (2016). O Pé Diabético (PD) é uma das complicações mais comuns da DM, causando uma queda significativa da qualidade de vida e está associado com taxas altas de ocupação e permanência hospitalares, com repetidas intervenções cirúrgicas e repetidas hospitalizações anuais 2. O diagnóstico precoce através da verificação das alterações dos níveis de sensibilidade, pode-se alertar para os primeiros sintomas do PD e evitar sua progressão 2. A avaliação neurológica compreende a avalição da sensibilidade (tátil, dolorosa-térmica e vibratória), a avaliação de reflexos tendíneos e a avaliação da função motora. Tem como objetivo principal a identificação da perda da sensibilidade protetora dos pés, para classificação de risco e prevenção de complicações; os testes que se mostraram mais úteis para a pesquisa de neuropatia periférica no contexto do PD foram às avaliações de sensibilidade tátil com monofilamento e vibratória. A ausência total ou parcial do reflexo Aquileu também constitui um importante sinal preditivo de processos ulcerativos nos pés e deve ser periodicamente avaliado 1.

A avaliação da sensibilidade tátil com monofilamento de Semmes-Weinstem é o método de escolha recomendado como exame de rastreamento de neuropatia diabética: tem boa relação custo benefício, alta reprodutibilidade confirmada por estudos prospectivos e elevada especificidade 1;28. Para a realização desta técnica deve seguir o descrito no Manual do Pé diabético do Ministério da Saúde.1; 29, 6; 98:

1º – Esclarecer o paciente sobre o teste. Solicitar ao mesmo que diga “sim” cada vez que perceber o contato com o monofilamento.

2º – Aplicar o monofilamento adequado (10 gramas) perpendicular à superfície da pele, sem que a pessoa examinada veja o momento do toque.

3º – Pressionar com força suficiente apenas para encurvar o monofilamento, sem que ele deslize sobre a pele.

4º – O tempo total entre o toque para encurvar o monofilamento e sua remoção não deve exceder 2 segundos.

5º – Perguntar, aleatoriamente, se o paciente sentiu ou não a pressão/toque (SIM ou NÃO) e onde está sendo tocado (Pé Direito ou Esquerdo).

6º – Serão pesquisados quatro pontos (pontos vermelho-escuro), em ambos os pés.

pes

Fonte: Manual do Diabético, 2016

7º – Aplicar duas vezes no mesmo local, alternando com pelo menos uma vez simulada (não tocar), contabilizando no mínimo três perguntas por aplicação.

8º – A percepção da sensibilidade protetora está presente se duas respostas forem corretas das três aplicações.

9º – A percepção da sensibilidade protetora está ausente se duas respostas forem incorretas das três aplicações.

O acompanhamento deste tipo de paciente deve ocorrer conforme plano terapêutico a ser desenvolvido pela equipe multiprofissional da AB, onde deve constar a frequência da reavaliação do caso para garantir a equidade na assistência prestada ao usuário (integralidade), e acompanha-lo como um todo, em suas necessidades humanas básicas e de seus cuidadores 5. Além de garantir o acesso à coordenação do cuidado para todos os pacientes portadores de DM além da presença de diagnóstico de PD, e independente do uso do estesiômetro pela equipe multidisciplinar da AB.

Bibliografia Selecionada

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do pé diabético : estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2016. 62 p. : il. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/manual_do_pe_diabetico.pdf ;[acessado em 19 nov. 2016].
  2. Freitas,FS; Hoffmann,LS; Bonini-Rocha,Ac. Avaliação da sensibilidade tátil nos pés de sujeitos com diabetes mellitus. Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria – Rio Grande do Sul. Disponível em: http://www.unifra.br/professores/anabonini/tfg/Francieli%20e%20Let%C3%ADcia.pdf ; [acessado em 19 nov. 2016].
  3. Cubas, MR; Santos, OM; Andrade, IPS; et all. Pé diabético: orientações e conhecimento sobre cuidados preventivos. Fisioter. Mov., Curitiba, v. 26, n. 3, p. 647-655, jul./set. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fm/v26n3/a19v26n3.pdf ; [acessado em 19 nov. 2016].
  4. Borges, FS; Cardoso, HSG. Avaliação sensório-motora do tornozelo e pé entre idosos diabéticos e não diabéticos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, 2010; 13(1):93-102. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v13n1/a10v13n1.pdf ; [acessado em 19 nov. 2016].
  5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.116 p.: il. – (Cadernos de Atenção Básica, n. 39). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_39.pdf; [acessado em 19 nov. 2016].
  6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica : diabetes mellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2013. 160 p. : il. (Cadernos de Atenção Básica, n. 36). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_36.pdf ; [acessado em 19 nov. 2016].
  7. Lehman, Linda Faye et alli Avaliação Neurológica Simplificada/ Linda Faye Lehman, Maria Beatriz Penna Orsini, Priscila Leiko Fuzikawa, Ronise Costa Lima, Soraya Diniz Gonçalves. BeloHorizonte: ALM International, 1997. 104 p.: il. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/avaliacao_neuro_hanseniase.pdf ; [acessado em 19 nov. 2016].