Contato

SOF

Que ações conjuntas podem ser desenvolvidas entre profissionais do NASF e das eSF na lógica do apoio matricial?

| 03 mai 2016 | ID: sof-23368
Esta SOF foi útil pra você?
Reload

Enter the code

As ações conjuntas entre profissionais do Núcleo de Apoio à   Saúde da Família (NASF) e equipes de Saúde da Família
(eSF) são aquelas que contam com a participação de pelo menos um profissional do NASF e um profissional das equipes apoiadas. São possibilidades de configuração dessas ações a reunião de matriciamento, o atendimento individual compartilhado, o atendimento domiciliar compartilhado, a atividade coletiva compartilhada e outras ações de educação permanente desenvolvida entre essas equipes. (1)
A reunião de matriciamento é um espaço de ocorrência periódica (realizado no mínimo mensalmente) destinado à problematização, ao planejamento, à programação e à execução de ações colaborativas entre NASF e eSF, que se pauta em uma relação dialógica e horizontal entre os profissionais e está baseada em uma abordagem centrada na pessoa, com enfoque intersubjetivo e interdisciplinar 1. Deve englobar discussões de casos e temas (fortemente relacionados à educação permanente), pactuações entre os profissionais envolvidos, planejamento e programação de ações (como construção de propostas de grupos, atendimentos e intervenções entre as equipes), ações de vigilância em saúde, monitoramento e outras1. Para que possam ser realizadas, deve haver horário protegido na agenda dos profissionais envolvidos, organização da eSF para definição dos casos ou situações para matriciamento e dos profissionais do NASF para devolutivas às equipes apoiadas. (1)

O atendimento individual compartilhado é aquele realizado conjuntamente por pelo menos um profissional do NASF e um profissional da eSF  (exemplo: um atendimento a uma criança em fase de introdução de alimentos realizado conjuntamente entre o enfermeiro e o nutricionista).(1)
O atendimento domiciliar compartilhado é o atendimento a um indivíduo ou família realizado no domicílio com a presença de pelo menos um profissional do NASF e um profissional da eSF, que visa especialmente promover o acesso ao cuidado em saúde aos usuários restritos ao leito ou ao domicílio  (exemplo: atendimento domiciliar realizado entre o médico e o psicólogo para uma pessoa restrita ao leito).(1)
A atividade coletiva compartilhada é aquela realizada em grupo, desenvolvida na Unidade Básica de Saúde (UBS) ou em outros espaços do território (como associações de moradores) que contam com a presença de profissionais do NASF e da eSF. Podem ser de coordenação conjunta (exemplo: fisioterapeuta e técnico de enfermagem coordenando um grupo de postura corporal) ou de coordenação do profissional do NASF ou da eSF contando com a participação ocasional de outros profissionais da Atenção Básica (AB). O apoio do NASF pode se dar, também, para planejamento e programação conjunta de grupos de educação e saúde e ações de sensibilização desenvolvidas1. O apoio pode ocorrer sempre que demandado pelas equipes de AB, a partir da identificação pelo NASF da necessidade de qualificação dos grupos já realizados ou da necessidade de incentivo ao desenvolvimento de grupos de promoção à saúde. (1)
As ações compartilhadas no território são outro exemplo de ações conjuntas que podem ser desenvolvidas entre NASF e equipes apoiadas. Nessas ações, pode haver a participação do NASF na territorialização da área adscrita, no desenvolvimento de ações intersetorias, de vigilância em saúde e em ações de controle social em conjunto com a eSF.
A proposta de trabalhar na lógica do apoio matricial tem como pano de fundo a tentativa de romper com o modelo centrado nas ações disciplinares, caracterizadas pela baixa articulação de saberes e práticas dos profissionais de saúde. As ações conjuntas (ou compartilhadas) são consideradas importantes estratégias para a educação permanente das eSF, uma vez que o compartilhamento de saberes e práticas promove o “aprender no fazer em conjunto”1, com especial potencial para favorecer essa nova forma de atuação entre NASF e equipes vinculadas.

SOF Relacionadas:

  1. A realização de atendimentos domiciliares é uma atribuição dos profissionais do NASF?
  2. Como o apoio matricial pode ser desenvolvido na Atenção Básica em Saúde/Atenção Primária em Saúde?
  3. Qual o papel do NASF no Programa Saúde na Escola?
  4. Qual a carga horária semanal dos profissionais dos NASF?
  5. Que instrumentos podem ser utilizados para o gerenciamento conjunto de casos compartilhados entre NASF e eSF vinculadas?
  6. Como estruturar um roteiro de discussão de casos, para o trabalho integrado entre o NASF e as eSF?
  7. Quais profissionais compõem o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF)?
  8. Que ações iniciais são recomendadas após a implantação do NASF?
  9. Quais são os critérios para implantação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família?

Bibliografia Selecionada

  1. BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica: Núcleo de Apoio à Saúde da Família – volume 1: ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/nucleo_apoio_saude_familia_cab39.pdf