Contato

SOF - Áreas Temáticas

Apoio ao Tratamento Assinar Feed RSS

Como deve ser o acompanhamento de uma paciente após o tratamento adequado para sífilis?

Os pacientes infectados devem ser acompanhados da seguinte forma após a realização do tratamento(1):

Quando indicar analgésicos não opióides de efeito anti-inflamatório em Odontologia?

Na Odontologia, os anti-inflamatórios não esteroides são indicados na resolução e tratamento da dor de carácter agudo. Auxilia também no tratamento da dor orofacial de natureza crônica, servindo como coadjuvantes no tratamento da doença periodontal, no tratamento da dor de origem endodôntica e na minimização da dor e do edema decorrente de procedimentos cirúrgicos oro-dentário(1).

Qual é a toxicidade, o tempo de duração e as indicações e contra indicações de uso do anestésico local Articaína com Epinefrina?

A articaína apresenta toxicidade semelhante à da lidocaína, isto é os níveis plasmáticos para o início de reações tóxicas são de 4,5 μg/mL no Sistema Nervoso Central e de 7,5 μg/mL no sistema cardiovascular. A sobredosagem promove a estimulação inicial do Sistema Nervoso Central, seguida de depressão, convulsão e coma (1).

Quais são os critérios para realizar a retirada de corticoide inalatório em adultos com asma?

Pode ser considerada a redução de dose (mínima dose efetiva) do corticoide inalatório em pacientes com asma controlada por pelo menos três meses e desde que haja baixo risco de exacerbações e função pulmonar estável. – Quando os pacientes estão utilizando corticoide inalatório isoladamente em doses médias ou altas, – uma redução de 50% da […]

Como manejar a interação entre anlodipino e sinvastatina?

Em pacientes que fazem uso de anlodipino e sinvastatina, a dose de sinvastatina não deve ultrapassar 20 mg por dia. Essa restrição deve-se ao risco de elevação do nível sérico de sinvastatina e ao aumento do risco de miopatia, incluindo rabdomiólise. O mecanismo dessa interação é incerto, mas pode envolver competição pelo CYP3A, pois os […]

Deve-se solicitar enzimas hepáticas antes de iniciar isoniazida para tratamento de infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis (ILTB)?

A avaliação das enzimas hepáticas antes do tratamento para ILTB, devido ao maior risco de toxicidade, está indicada nas seguintes situações: • hepatopatia crônica (hepatite B ou C, hepatite alcoólica, cirrose); • uso de outras medicações potencialmente hepatotóxicas; • consumo regular de álcool; • puérpera até 3 meses pós-parto; • infecção pelo vírus HIV

Qual a conduta após teste rápido positivo para hepatite C?

Deve-se solicitar o exame de carga viral do HCV (HCV-RNA, realizado por técnica de PCR (polymerase chain reaction) para confirmar a infecção pelo vírus da hepatite C.

Qual o intervalo máximo para aplicação de enantato de noretisterona + valerato de estradiol injetável mensal (Mesigyna®, Noregyna®)?

A combinação injetável de enantato de noretisterona 50 mg/mL + valerato de estradiol 5 mg/mL deve ser administrada a cada 30 dias, com intervalo máximo de até 33 dias, independente da menstruação.

Qual a conduta frente ao paciente que retorna após abandono do tratamento da tuberculose?

Configura-se abandono do tratamento quando o paciente permanece faltoso por mais de 60 dias após a data da última consulta ou quando deixa de tomar o medicamento por 30 dias ou mais. O paciente que retorna ao serviço após abandono do tratamento deve ter sua doença confirmada por nova investigação diagnóstica por baciloscopia, devendo ser […]

Deve-se investigar o achado de diverticulose?

O achado de divertículos em exames de imagem ou exames endoscópicos em pacientes assintomáticos não requer qualquer investigação adicional. Não é necessário repetir o exame ou encaminhar para gastroenterologia ou proctologia.