Contato

SOF - CIAP2

A70 Tuberculose Assinar Feed RSS

Qual a relação existente entre tuberculose, alcoolismo e carência alimentar?

As bibliográficas consultadas apontam para o aumento da vulnerabilidade à tuberculose relacionada a fatores como alcoolismo e carência alimentar. (1,2,3,4,5)  O alcoolismo crônico é considerado importante fator de risco para o desenvolvimento da tuberculose, visto que há alta incidência de casos e de formas mais avançadas de tuberculose pulmonar entre esses pacientes. O abandono do […]

Como dar alta a um paciente com diagnóstico de tuberculose pulmonar bacilífera que não consegue produzir escarro por ausência de expectoração?

A alta por cura de pacientes que receberam o diagnóstico de tuberculose pulmonar bacilífera que não tiverem realizado o exame de escarro por ausência de expectoração pode ser feita com base em dados clínicos e exames complementares (cura clínica não comprovada bacteriologicamente). Para isso, é importante que esse paciente seja encaminhado para a avaliação pelo […]

Quais os critérios para iniciar quimioprofilaxia em contactantes de pacientes com tuberculose pulmonar sensível em locais onde a prova tuberculínica não está disponível?

Para o controle de contatos na indisponibilidade da prova tuberculínica (PT) recomenda-se proceder com a investigação de todos os contatos (tuberculose sensível e multidrogarresistente) com avaliação clínica e radiológica, com vistas a identificar casos de tuberculose ativa. Excluindo-se doença ativa, recomenda-se o tratamento da infecção latente da tuberculose, mesmo sem PT, nas seguintes situações: a) […]

Como proceder quando o diagnóstico do caso índice foi realizado após a vacina BCG ter sido dada ao bebê?

Neste caso a criança enquadra-se como contato <10 anos de caso índice vacinada com BCG. Deve-se avaliar a necessidade de quimioprofilaxia secundária ou tratamento para tuberculose, de acordo com os critérios clínicos da mesma. Segundo o Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, na avaliação de contactantes crianças (<10 anos), deve-se investigar tuberculose […]

Gostaria de saber mecanismos para adesão ao tratamento de tuberculose?

As atividades que podem ser realizadas para maximizar a adesão e minimizar o abandono do portador de tuberculose ao tratamento são: educação em saúde, a realização de visitas domiciliares, o estabelecimento de vínculo e acolhimento, garantia de acessibilidade aos serviços, manter corresponsabilidade entre usuário e familiares, implementação de medidas intersetoriais, incentivo à autonomia do usuário, […]

Como manejar as reações adversas ao tratamento medicamentoso para tuberculose, principalmente exantema e prurido?

Prurido e exantema leve são considerados efeitos adversos menores no tratamento anti tuberculose (TB) e estão relacionados ao uso de Isoniazida e Rifampicina. Tais efeitos podem ser tratados com uso de anti-histamínicos, na unidade básica de saúde, sem a suspensão do tratamento. Avaliar a hidratação da pele é outra medida importante, pois o ressecamento é […]

Quais condutas para imunização de adulto sem cicatriz vacinal de BCG, sem registro de vacinação prévia e que não é contato intradomiciliar de tuberculose ou hanseníase?

A vacina BCG somente protege contra as formas mais graves de tuberculose que acometem a criança. Para quem não tomou a vacina e já é adulto, não se recomendada esta vacinação. Segundo o Manual de Vacinação do Ministério da Saúde do Brasil a vacina BCG tem duas indicações: crianças até 5 anos (devem ser vacinadas […]

Quais os tratamentos para tuberculose?

O Ministério da Saúde preconiza quatro esquemas para tratar tuberculose (TB): Esquema Básico (Atenção Primária à Saúde – APS), Esquema para Meningoencefalite (inicia no hospital e depois vai para APS), Esquemas Especiais (Referência Secundária) e Esquema Especiais para mono/poli e multi resistência (Referência Terciária). O esquema básico que dura 6 meses deve ser realizado pela […]

Qual é o tratamento da Tuberculose? Como funciona o esquema de medicamentos?

A tuberculose é uma doença grave, porém curável em praticamente 100% dos casos novos. Por ser uma moléstia infecciosa causada por uma micobactéria (M. tuberculosis), deve ser tratada com antimicrobianos com ação bactericida. As características do M. tuberculosis exigem alguns fundamentos do tratamento medicamentoso: Associação de fármacos: previne a multiplicação de germes naturalmente resistentes. Tempo […]

Quais as modificações do novo tratamento medicamentoso (terapia quádrupla) para Tuberculose, instituído pelo Ministério da Saúde?

O novo tratamento medicamentoso instituído pelo Ministério da Saúde é semelhante ao esquema anterior somando-se a inclusão de uma nova droga, o Etambutol. Anteriormente, os pacientes eram tratados por dois meses (fase 1) com três drogas: Rifampicina, Isoniazida (também chamada de Hidrazida), e Pirazinamida. E por mais quatro meses (fase 2) somente com: Rifampicina e […]