A exodontia está contraindicada para pacientes idosos que realizaram ponte de safena?

Em caso de exodontia em idosos cardiopatas se faz necessário a avaliação cardiológica prévia ao procedimento, devido ao risco de desenvolvimento de complicações graves, tais como endocardite bacteriana e bacteremia(1,2).

Quando realizada a ponte de safena em decorrência de um infarto agudo do miocárdio, antes de qualquer tratamento odontológico, o paciente deve ser cuidadosamente avaliado, pois nos primeiros seis meses o risco de recidiva, como reinfarto ou morte súbita, durante uma intervenção cirúrgica médica ou odontológica é aproximadamente 30% maior do que em pacientes normais(3). Procedimentos odontológicos mais invasivos devem ser adiados pelo menos por três meses e, idealmente, por até 1 ano após o infarto(3).

Pacientes sem complicações pós-infarto nem fatores de risco adicionais (hipertensão, arritmias, insuficiência cardíaca congestiva) podem ser tratados no consultório odontológico, desde que alguns cuidados sejam tomados(4). O controle da ansiedade do paciente, consultas breves e a utilização controlada de anestésicos com vasoconstritores, muitas vezes associada ao uso de sedação complementar, diminuem os riscos de uma recidiva(3).

Nos casos de infarto do miocárdio com complicações, ou com recuperação instável, sugerem-se condutas mais cuidadosas, evitando-se procedimentos dentários cirúrgicos nos primeiros seis meses depois da ocorrência(3). As emergências dentárias devem ser tratadas de forma conservadora ou monitoradas em ambiente hospitalar(3).

Doenças cardiovasculares representam uma das principais causas de morte nas sociedades industrializadas, tanto para homens quanto para mulheres(3). Esses pacientes muitas vezes necessitam de tratamento odontológico e são encaminhados ao consultório de um clínico geral ou de um especialista, conforme suas necessidades(3). O paciente com comprometimento cardiovascular deve ser avaliado minuciosamente, tanto pelo profissional que realizará o procedimento odontológico quanto pelo médico do paciente(3). Para o cirurgião-dentista é importante uma anamnese detalhada de pacientes com história de angina do peito, próteses cardíacas, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e arritmias. Pacientes assintomáticos também devem ser bem observados no momento da consulta, pois os sintomas podem aparecer, devido ao estresse causado pelo atendimento. Informações atualizadas são imprescindíveis ao correto manejo clínico dos pacientes, a fim de evitar ou contornar complicações indesejáveis(3).