A reabilitação pelo exercício físico tem impacto na mortalidade geral e cardiovascular em pacientes portadores de doença arterial coronariana?

A reabilitação pelo exercício físico (EF) é efetiva em reduzir a mortalidade geral e cardiovascular em pacientes portadores de DAC. Não há evidência de que programas que incluam o EF como parte de programas mais abrangentes de reabilitação (incluindo educação em saúde e apoio psicosocial) tragam benefícios diferentes em relação aos programas que incluem somente o EF. (1) (Grau A)
Os programas de exercício físico regular, como também programas de reabilitação mais abrangentes que incluam educação em saúde e suporte psicosocial além do EF, podem reduzir o risco de morte por doença arterial coronariana (DAC). Os resultados são consistentes tanto para intervenções hospitalares quanto para aquelas com base em serviços comunitários, cenário próprio da Atenção Primária à Saúde (APS).
Esses dados são extremamente interessantes, pois se referem a patologias frequentes e de altíssima morbimortalidade em nosso meio, assim como em todo o mundo. Devido às suas características e princípios, a APS tem grande potencial para aumentar a participação e aderência de pessoas portadoras de DAC em programas de reabilitação que envolvam EF, principalmente quando promove acesso universal e contato longitudinal no cuidado a essas pessoas.
Estudos demonstram que intervenções, mesmo breves, realizadas por Médicos de Família e Comunidade, são efetivas em aumentar os níveis de atividade física da população em geral (incluindo pessoas de todas as idades e condições clínicas). A participação de outros profissionais de saúde, principalmente fisioterapeutas e educadores físicos, atuando em equipe multiprofissional, potencializa o efeito dessa intervenção.

 

Sumário das evidências A revisão (1)  incluiu predominantemente homens de meia-idade, de baixo risco sendo seguidos em serviços hospitalares e/ou comunitários, com história de infarto do miocárdio, angina pectoris, revascularização, ou doença coronariana definida por angiografia. Um total de 32 ensaios clínicos sobre reabilitação por EF de pacientes portadores de DAC foram incluídos, com análise de 8440 pacientes no total. A qualidade dos estudos em geral foi considerada pobre, com apenas alguns autores descrevendo ao mesmo tempo métodos de randomização e avaliação cega. As intervenções resumiram-se em programas de EF somente (comparados em relação aos cuidados usuais), e EF associado a programas abrangentes que incluíram apoio psico social e educação em saúde. As principais medidas foram: mortalidade geral e cardiovascular [por infarto agudo do miocárdio (IAM), morte súbita, e mortes por doenças cérebro-vasculares (DCV) ], IAM e DCV não-fatais, recorrência de revascularização, e qualidade de vida relacionada à saúde. As medidas secundárias foram relacionadas aos fatores de risco cardiovasculares modificáveis: tabagismo, pressão arterial e perfil lipídico. Os programas que incluíram EF reduziram (efeito combinado) a mortalidade geral em 27% (OR 0.73 95% IC 0.54 to 0.98), quando comparados com os cuidados usuais aos pacientes portadores de DAC. Os programas abrangentes de reabilitação talvez também possam reduzir a mortalidade geral, mas os resultados não são suficientemente consistentes (OR 0.87 95% IC 0.71 to 1.05). A mortalidade cardiovascular foi reduzida em 31% (OR 0.69 95% IC 0.51 to 0.94) pelos programas que incluíram EF somente e 26% (OR 0.74 95% IC 0.57 to 0.96) pelos programas mais abrangentes, respectivamente, quando comparados aos cuidados usuais. Já para desfechos intermediários, apenas nos programas mais abrangentes de reabilitação houve redução significativa no colesterol total (IC -0.83 to -0.31) e no LDL (IC -0.82 -0.19). Não houve evidência de efeitos dos diversos programas de reabilitação nos outros desfechos estudados.

Bibliografia Selecionada

  1. Heller RF, Knapp JC, Valenti LA, Dobson AJ. Secondary prevention after acute myocardial infarction. Am J Cardiol. 1993 Oct 1;72(11):759-62.
  2. Jolliffe Judith, Rees Karen, Taylor Rod RS, Thompson David R, Oldridge Neil, Ebrahim Shah. Exercise-based rehabilitation for coronary heart disease. Cochrane Database of Systematic Reviews. In: The Cochrane Library, Issue 2, Art. No. CD001800. Disponível em: http://cochrane.bvsalud.org/doc.php?db=reviews&id=CD001800. Acessa em: 03 junho 2015
  3. Pinto MEB, Demarzo MMP. Atividade física na atenção primária à saúde. In: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. PROMEF – Atividade física na atenção primária à saúde. In: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Porto Alegre: Artmed; 2007. p. 9-48.