Evitar a transmissão direta e/ou indireta de flora bacteriana entre cuidadores e crianças é efetivo na prevenção da cárie?

Há estratégias que são comprovadamente efetivas na redução da incidência de cárie em crianças, como o aconselhamento à adoção precoce de práticas alimentares favoráveis à saúde e a escovação diária, a partir da irrupção do primeiro dente, com dentifrício fluoretado na concentração de 1.000 ppm(4,5,6). Entretanto, não há evidências de que métodos que diminuiriam a transmissibilidade de micro-organismos orais entre cuidadores e crianças, sejam efetivos no controle da cárie em crianças, uma vez que não existe um micro-organismo específico relacionado ao desenvolvimento da cárie,e estes fazem parte da microbiota oral indígena, sendo praticamente impossível que se evite a colonização da cavidade oral(7). Dessa forma, condutas que denotem demonstrações de afeto e carinho, essenciais para um bom desenvolvimento do indivíduo, não necessitam ser banidas do cotidiano de mães e filhos.

A cárie dentária é uma doença que afeta a maioria da população mundial e, com muita frequência, atinge crianças, comprometendo a sua qualidade de vida(1). Durante muitos anos propagou-se o conceito da cárie dentária como sendo uma doença bacteriana, infecciosa e transmissível. Dessa forma, aconselhava-se futuras mães, desde o período gestacional, ou ainda cuidadores, a não soprar ou provar os alimentos do futuro bebê, nem a beijá-lo na boca. Atualmente, tal concepção modificou-se, passando a cárie dentária a ser considerada uma disbiose, isto é, um desequilíbrio na microbiota normalmente residente em nossa cavidade bucal, desencadeado pelo consumo de açúcar. Portanto, o consumo de alimentos cariogênicos é mais importante para causar a cárie do que apenas a presença destes microorganismos, pois estes em contato com o açúcar, o metabolizarão, produzirão ácidos e causarão a desmineralização dentária. Entretanto, essa informação parece não chegar à população, o que reforça a necessidade de construção de canais de divulgação de informações odontológicas baseadas em evidências em linguagem simplificada contribuindo para a popularização da ciência(2,3). Atributos da APS Entender a etiologia de uma doença é essencial para que sejam traçadas estratégias eficazes para a sua prevenção e controle. No caso da cárie dentária, é necessário desmistificar o papel dos micro-organismos, entendendo que a presença de micro-organismos, apesar de necessária, não é suficiente para o desenvolvimento das lesões de cárie. Assim, todos os esforços na APS devem estar dirigidos ao aconselhamento dietético e de higiene bucal desde a gestação, pois estes hábitos, sim, são transmitidos aos futuros bebês e constituem-se em importantes ferramentas na prevenção da cárie dentária e na implementação de futuras gerações livres da doença.