Como avaliar acuidade visual em crianças de 0 a 12 anos (escolares)?

A partir dos 3 anos de idade, está indicada a triagem da acuidade visual, usando-se tabelas de letras ou figuras. Este procedimento tem Grau de Recomendação B. Pelo fato de o desenvolvimento ocular ocorrer até 7 anos de idade, qualquer ação de saúde ocular preventiva e/ou curativa deve ser praticada o mais precocemente possível para que haja maior sucesso nos tratamentos efetuados.
Os sinais de que uma criança tem dificuldade de enxergar podem variar conforme a idade, mas alguns são comuns a todas as fases da infância.
Até 2 anos de idade: falta de reação ou aversão à luz, lacrimejamento excessivo, desinteresse pelo ambiente e pessoas, pupila dilatada, opaca ou com reflexo luminoso, dificuldade de engatinhar ou andar, olho torto, manter os olhos fechados por muito tempo, Tremor ocular, Olhos vermelhos e com secreção.
A partir dos 3 anos: cair com frequência, dor de cabeça após leitura ou aulas, assistir TV ou ler aproximando-se muito do aparelho ou livro, lentidão e desinteresse na sala de aula, franzir a testa para enxergar, evitar brincadeiras ao ar livre, queixar-se de visão dupla ou baralhada, enjôos em viagens e dificuldade em distinguir cores.
A tabela de Snellen, também conhecida como optótico de Snellen ou escala optométrica de Snellen, é um diagrama utilizado para avaliar a acuidade visual de uma pessoa. A tabela recebe seu nome em homenagem ao oftalmologista holandês Herman Snellen, que a desenvolveu em 1862. Para utilização da Tabela de Snellen é necessário uma capacitação para utilização correta e principalmente uma capacitação para interpretação dos resultados. Este teste de acuidade visual pode ser aplicado pelos médicos, pediatras, enfermeiros ou professores desde que devidamente capacitados.

Bibliografia Selecionada

  1. Scheiman, Mitchell M.; et al. Pediatric eye and vision examination. 2nd ed. St. Louis : American Optometric Association; 2002. Disponível em: http://www.aoa.org/documents/optometrists/CPG-2.pdf
  2. Universidade Federal de São Paulo. Committee on Practice and Ambulatory Medicine. Section on Ophthalmology. Eye examination in infants, children, and young adults by pediatricians. Pediatrics 2003; 111:902-907. Disponível em: http://pediatrics.aappublications.org/content/98/1/153.full.pdf+html
  3. Crawford JS, Morin JD. The eye in childhood. Canadá: Departament of Oftalmology-Hospital for Sick Children; 1982.
  4. Lopes CLR, Barbosa MA, Marques ES, Lino AIA, Morais NHF. O trabalho de enfermagem na detecção de problemas visuais em crianças/adolescentes. Rev eletrônica enferm[Internet]. 2003 [citado 2008 Jun 12]; 5(2)55-9. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/revista5_2/pdf/acuidade.pdf
  5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Doenças Crônico-Degenerativas. Programa Nacional de Saúde Ocular e Prevenção da Cegueira. Brasília: Ministério da Saúde; 1988. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/oai-bvs-ms-ms-1596
  6. IBO – Instituto Brasileiro de Optometria. Leandro Stuermer. Porto Alegre: Ofício 002/2006