Como diagnosticar o bruxismo na infância?

O diagnóstico do bruxismo do sono, em crianças, depende inicialmente do relato dos responsáveis, durante a anamnese odontológica, de sons produzidos como resultado do aperto durante a noite, bem como de sensibilidade dos dentes aos alimentos quentes ou frios, dor facial, dor de cabeça ou desconforto matinal queixados pelo paciente infantil. Ao exame clínico intra e extraoral, a presença de sinais, como possível desgaste ou fratura de estruturas dentárias, mobilidade dentária e a observação de outras evidências clínicas, tais como hipertrofia dos músculos mastigatórios, dor na articulação temporomandibular ou fadiga nos músculos mastigatórios, pode auxiliar o dentista no diagnóstico desta condição(1).

O relato dos pais/responsáveis acerca da história médica da criança, ou ainda, a investigação de características comportamentais da criança, como o traço de personalidade ansiosa, a qualidade do sono, possíveis hábitos associados, como roer unhas e mordiscar objetos, além do uso frequente de dispositivos eletrônicos à noite fornecerá pistas ao dentista, auxiliando-o no diagnóstico. Um diário que fique em local próximo à cama da criança para ser preenchido pelos pais, logo ao despertar acerca do sono de seus filhos constitui-se numa ferramenta importante para um diagnóstico adequado.

Para a averiguação  de  sinais  e  sintomas  do  bruxismo,  a  aplicação  de  questionários  para  os  pais  e  cuidadores tem sido utilizada, mas têm a desvantagem de a  informação obtida  ser  de  natureza  subjetiva,  pois,  muitas  vezes,  os  responsáveis  dormem  em  ambientes afastados das crianças e não percebem adequadamente os ruídos, porém, os dados obtidos através destes são de suma importância para o  diagnóstico  do  bruxismo  infantil,  visto  que  os  sons são indícios da presença deste distúrbio(2).

Métodos  complementares  como  a  polissonografia e  a  avaliação  eletromiográfica também podem ser utilizados no diagnóstico do bruxismo do sono. A  polissonografia é considerada o método padrão-ouro, monitora  todos  os  eventos que ocorrem durante o sono, como a atividade muscular, por meio de eletromiografia (EMG) dos músculos mastigatórios temporal e masseter, incluindo eletroencefalograma, eletrocardiograma,  um registro da sensibilidade térmica (monitorização do fluxo de ar) e simultaneamente uma gravação audiovisual, mas possui custo elevado e, por se tratar de  crianças,  difícil  manejo(3,4).

A associação do relato dos pais/questionário com o exame clínico é o método de diagnóstico para o bruxismo infantil mais utilizado e relatado na literatura científica(3).

Conhecer o método  de  diagnóstico  mais  usado  e  mais  eficiente  para  detectar  o  bruxismo  em  crianças,  auxiliará  o  dentista  na  determinação do tratamento(4).  

Bibliografia Selecionada

1.  Guo  H,  Wang  T,  Niu  X,  Wang  H,  Yang  W,  Qiu  J,  Yang L.  The  risk factors related to bruxism in children: A systematic review and meta-analysis. Arch Oral Biol 2018; 86:18-34. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0003996917303576 2. Ierardo G, Mazur M, Luzzi V, Calcagnile F, Ottolenghi L, Polimeni A. Treatments of sleep bruxism in children: A systematic review and meta-analysis. Cranio. 2021; 39(1):58-64.  Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30806589/ 3. Bortoletto CC, Silva FC, Salgueiro MCC, Motta LJ, Curiki LM, Ferarri  RAM,  Fernandes KPS, Bussadori SK.  Evaluation  of  electromyographic  signals  in  children with bruxism before and after therapy with Melissa Officinalis  L- a  randomized  controlled  clinical  trial.  J  Phys Ther Sci 2016; 28(3):738-42. Disponível em:  https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4842431/ 4. Siqueira LS, Machado CB, Ripplinger T, Costa CT. Diagnóstico do bruxismo infantil: uma revisão da literatura para auxiliar o cirurgião-dentista. RFO UPF 2020; 25(2):311-18.  Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/rfo/article/view/11410/114115960