Como o Agente Comunitário de Saúde deve proceder ao se deparar com um paciente que mencione ideação suicida?

Entre as atribuições específicas dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) encontra-se a orientação das famílias quanto à utilização dos serviços de saúde disponíveis. No caso de pacientes cujo risco de suicídio foi identificado por familiares ou pelo ACS, os familiares devem ser orientados sobre a necessidade de uma consulta imediata e estes pacientes passam ter prioridade no atendimento médico. O ACS deve orientar aos familiares e/ou cuidadores que até que paciente seja avaliado ele não poderá ficar sozinho, facas, objetos pontiagudos e medicamentos devem ser guardados em local seguro e as janelas deverão estar com tela de proteção.
Após o diagnóstico de um episódio depressivo, o médico da Unidade de Saúde deverá avaliar o risco de suicídio através de questionamento aberto ao paciente a respeito de ideação suicida e, então, estimar o risco do paciente vir a realizar tentativas de suicídio. A presença de risco de suicídio em um paciente deprimido é considerada uma indicação de internação psiquiátrica quando estiver associado às seguintes condições: psicose; abuso de substâncias, desesperança significativa, impulsividade ou plano suicida; ausência de suporte social; situações em que a medicação em regime ambulatorial se torna insegura e impossibilidade do paciente para seguir tratamento ambulatorial.
Ressalta-se aqui a importância do vínculo da equipe de saúde com os pacientes que apresentam risco de suicídio e seus familiares, pois em diversos casos a internação hospitalar poderá ser evitada com manejo adequado no domicílio, especialmente os casos que não se enquadram nos critérios acima mencionados.

 

Bibliografia Selecionada

  1. Duncan BB, Schmidt M, Giugliani ER. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.