Como trabalhar em equipe?

Sabemos que o trabalho cooperativo é muito mais eficiente que o trabalho competitivo, principalmente dentro de uma Unidade de Saúde. Para que isso seja possível há a necessidade de trabalhos em grupo ou equipe.
O chefe, o gerente, etc, todos que estão em cargos de mando tem de saber que a transformação de interações negativas em positivas é de uma grande importância. Ser chefe é ter responsabilidade na promoção profissional do seu subalterno. Sua atuação não é de chefia, mas liderança, cooperação, orientação e coordenação.
A dinâmica da administração deve atuar nos sentido horizontal (colaboração) e não vertical (chefia). Para um trabalho em grupo, não basta juntar várias pessoas num mesmo grupo e deixar os resultados por conta do acaso. Algumas regras devem ser observadas para que o trabalho em conjunto torne-se produtivo e contribua para o desenvolvimento da capacidade competitiva da unidade.

  1. Definir claramente as metas e objetivos da equipe. Todos têm de saber qual o objetivo do trabalho, para que o esforço seja feito na mesma direção. A comunicação clara é fundamental para alcançar esse objetivo.
  2. Estabelecer os papéis. Se os integrantes da equipe não sabem qual a função ou papel a desempenhar, dificilmente vão poder atingir o objetivo comum.
  3. Aprender a lidar com o conflito. Em um grupo, é inevitável que haja choque de opiniões, personalidades e estilos. O desafio é saber valorizar a diferença e tornar os inevitáveis conflitos impulsionadores do crescimento e da produtividade.
  4. Avaliar e monitorar. O monitoramento do trabalho e dos resultados é fundamental para que cada integrante saiba como está o seu desempenho, em que e como pode melhorar. Informações insuficientes podem jogar por água abaixo o trabalho de qualquer equipe. “Preocupar-se com a qualidade do trabalho em equipe é uma questão crucial para o sucesso da unidade”.
  5. Segundo alguns autores devemos questionar alguns pontos que são fundamentais quando trabalhamos em equipe, sempre que as pessoas se referem ao seu grupo de trabalho, mesmo os próprios chefes de unidades, utilizam o termo “minha equipe”. Baseados na afirmação que toda equipe é um grupo, porém, nem todo grupo é uma equipe, há uma pergunta que precisa ser respondida: Como está a sua unidade? Vocês trabalham em grupo ou EQUIPE?

Entendemos que Grupo é um conjunto de pessoas com objetivos comuns, em geral se reúnem por afinidades. O respeito e os benefícios psicológicos que os membros encontram, em geral, produzem resultados de aceitáveis a bons. No entanto este grupo não é uma EQUIPE. Entendemos que Equipe é um conjunto de pessoas com objetivos comuns atuando no cumprimento de metas específicas. A formação da equipe deve considerar as competências individuais necessárias para o desenvolvimento das atividades e alcance das metas.
O respeito aos princípios da equipe, a interação entre seus membros e, especialmente, o reconhecimento da interdependência entre seus membros no alcance dos resultados da equipe, deve favorecer ainda os resultados das outras equipes e da organização como um todo. É isso que torna o trabalho desse grupo um verdadeiro TRABALHO EM EQUIPE. Vale, portanto considerar:

  • Quais são os aspectos e variáveis que favorecem a formação do verdadeiro espírito de Equipe em sua unidade?
  • Como implementá-los?
  • Qual é a postura do Líder?
  • Que benefícios os membros e a comunidade terão com o Desenvolvimento do Trabalho em Equipe?
  • Por que é tão importante considerar este “caminho” para o atingir os melhores resultados?
  • Quem na organização deve ser envolvido? É muito difícil darmos uma receita de como trabalhar em equipe.

O importante é sabermos que cada pessoa é uma pessoa diferente das outras. Nenhum de nós é igual ao outro. Sabemos que geneticamente cada pessoa tem a sua carga genética e, portanto é única. Por este motivo temos que respeitar todas as pessoas, pois ela é única na face da Terra. Das diferenças individuais temos que fazer uma unidade de trabalho não uma uniformidade, para que a produção e a produtividade, sejam eficientes.
Por este motivo o chefe ou coordenador, tem de estudar os membros de sua equipe, analisando cada participante (verificando quais as qualidades e não apenas os defeitos) e buscando as melhores condutas para conduzir cada um para a eficiência do trabalho.

 

Bibliografia Selecionada

  1. Campos GW. Subjetividade e administração de pessoal: considerações sobre modos de gerenciar trabalhos em equipes de saúde. In: Merhy EE, Onoko R, organizadores. Agir em saúde: um desafio para um público. São Paulo: Hucitec; 1997. p. 229-66.
  2. Pedrosa JIS, Teles JBM. Consenso e diferenças em equipes do Programa Saúde da Família. Rev saúde pública. 2001;35:303-11. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102001000300014&script=sci_arttext. Acesso em 07 abr 2015
  3. Peduzzi, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev saúde pública. 2001;35(1):103-9.
  4. Trench MH, Peduzzi M. Trabalho em equipe e trabalho em grupo no Programa de Saúde da Família. Rev Bras Enfermagem. 2000;53(N Esp):143-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v35n1/4144.pdf. Acesso em 07 abr 2015