Como tratar estomatite? Quais os tratamentos com bom nível de evidência?

Estomatite é a inflamação da mucosa de qualquer estrutura da cavidade oral. Dentre as patologias mais comuns no contexto da atenção primária associadas à estomatite estão a estomatite aftosa recorrente e a gengivoestomatite herpética.
A estomatite aftosa é a lesão mais comum da mucosa oral. As lesões são dolorosas, recorrentes e podem ocorrer em qualquer local da orofaringe. A etiologia ainda é desconhecida, mas algumas vezes está associada com diversas patologias, como doenças do colágeno, doenças gastrointestinais e Síndrome de Behçet (1).
Ensaios clínicos randomizados (ECR) demonstraram que colutórios a base de gluconato de clorexidina reduziram a severidade de cada episódio de ulceração, mas não tiveram efeito sobre a incidência das úlceras.
Evidências limitadas de apenas um ECR sugeriram que o gel de clorexidina a 0,2% pode reduzir a incidência e duração das ulcerações, quando comparado com uma preparação controle (2).
Pequenos ensaios clínicos randomizados encontraram evidências fracas de que os corticosteróides tópicos possam reduzir a duração e a dor das úlceras sem causar efeitos adversos locais ou sistêmicos (2).
A gengivoestomatite herpética é mais comum em crianças menores de 6 anos, sendo causada pelo herpes simples vírus – HSV (a maioria das infecções orais são causadas pelo tipo 1). A maior parte dos adultos desenvolve imunidade ao HSV como resultado de uma infecção na infância. Em pacientes imunocompetentes, a evolução geralmente é benigna e auto-limitada (3).
Uma revisão sistemática da biblioteca Cochrane encontrou fracas evidências de que o uso de aciclovir oral possa diminuir alguns dos sintomas em crianças menores de 6 anos com gengivoestomatite herpética primária (4).
A gengivoestomatite herpética geralmente é manejada com cuidados na dieta e analgésicos. Analgésicos tópicos (como a benzidamina) podem oferecer algum alívio adicional. A clorexidina pode auxiliar a reduzir infecções secundárias e manter a higiene bucal se a escovação dos dentes for dolorosa (5).

Bibliografia Selecionada

  1. Afzal M. Atlas of Clinical Diagnosis. 2a ed. Saunders; 2003.
  2. Porter SR, Scully C. Aphthous ulcers (recurrent). In: Godlee F. Clinical Evidence; 2007.
  3. Barker L, et al. Principles of Ambulatory Medicine. 7th ed. Lippincott Williams & Wilkins; 2007.
  4. Nasser Mona, Fedorowicz Zbys, Khoshnevisan Mohammad H, Shahiri Tabarestani Maryam. Acyclovir for treating primary herpetic gingivostomatitis. Cochrane Database of Systematic Reviews. In: The Cochrane Library, Issue 3, Art. No. CD006700.
  5. Herpes simplex – oral management scenario: gingivostomatitis [Internet]. Clinical Knowledge Summaries. [cited 2010 Feb 09]. Disponível em: http://www.cks.nhs.uk/herpes_simplex_oral/management/detailed_answers/managing_gingivostomatitis#-303368 Acesso em: 10 fevereiro 2010.