Como uma equipe de ESF pode auxiliar pacientes no climatério?

As atribuições referentes a cada profissional da ESF estão na Portaria N° 399-GM e Portaria N° 648-GM.
Com base nas Portarias, a divisão de tarefas em equipe para melhor atender as pacientes no climatério de acordo com as algumas hipóteses diagnósticas que cada pode vir a desenvolver:
Ansiedade: Fadiga caracterizada por libido comprometida. a) Esclarecer sobre as alterações da menopausa e descrevê-lo como um período normal na vida de uma mulher; b) Orientar quanto à diminuição das atividades que levam o estresse; c) Proporcionar um ambiente seguro, confortável, agradável; d) Organizar encontros com parceiros abordando o tema para melhor esclarecimento; e) Encaminhar ao profissional específico, caso os sintomas sejam agravados.
Osteoporose: distúrbio do tecido musculoso esquelético – conectivo relacionada a nutrição desequilibrada: menos do que as necessidades corporais relacionada a ingestão dietética inadequada de cálcio, de proteína e de vitamina D. a) Observar a ingestão recomendada de cálcio e vitamina D, inclusive suplementos de cálcio, quando prescritos para identificar o processo da osteoporose; b) Esclarecer a importância do exercício físico por 30 minutos, três a quatro vezes por semana para manter a boa saúde.
Náuseas: caracterizadas por estar “doente do estômago” relacionado por irritação gastro-intestinais. a) Orientar dieta fracionada; b) Evitar a ingestão de alimentos ácidos; c) Orientar quanto à ingestão de líquidos (acima de 2 litros); d) Evitar repouso após as refeições; e) Encaminhar ao médico caso os sintomas se agravem.
Fogachos: Termorregulação ineficaz caracterizado por flutuações na temperatura corporal acima ou abaixo dos parâmetros normais relacionado ao envelhecimento. a) Orientar quanto ao uso de roupas livres; b) Esclarecer que as alterações de temperatura fazem parte desse período da vida da mulher; c) Orientar a realização de banho mais vezes ao dia.
Infecções do trato urinário (ITU): Risco de infecção do trato urinário relacionada às alterações atróficas da uretra. a) Orientar a beber 6 a 8 copos de água diariamente e tomar vitamina C (500 mg), conforme prescrição médica), como um possível meio de reduzir a incidência (ITU); b) Orientar e relatar de imediato para o médico ou enfermeira responsável, qualquer sangramento, mesmo que seja mínimo, depois de 1 ano de amenorréia.
Ganho de peso: Risco para nutrição desequilibrada: mais do que as necessidades corporais relacionando a comer em resposta a sugestões internas (ex. ansiedade). a) Orientar quanto à necessidade ou exercícios físicos com regularidade; b) Orientar para uma dieta nutritiva e o controle de peso aumentarão o bem estar físico e emocional; c) Encaminhar a nutricionista para controle de dieta e peso; d) Atentar para o cumprimento das orientações nutricionais; e) Encaminhar ao setor de psicologia para apoio.
Insônia: Privação do sono caracterizado por ansiedade, irritabilidade relacionado a mudanças de estágios de sono e envelhecimento. a) Realizar atividades menos estressantes no período próximo ao repouso; b) Manter o ambiente tranqüilo, livre de ruídos que possam interferir no sono; c) Atentar para repetição do quadro de insônia com freqüência; d) Encaminhar ao médico para suporte medicamentoso, se necessário.
Medo: caracterizado por auto-segurança diminuída relacionada a estímulo fóbico. a) Manter o parceiro atualizado em relação aos sintomas relacionados a esse período; b) Orientar para participação de atividades em grupo; c) Orientar quanto à procura de profissionais direcionados para o problema.
Estresse: Aumento das queixas físicas relacionado à ansiedade e estresse. a) Estimular atividades que proporcionem prazer; b) Incentivar o auto-cuidado valorizando a auto-estima; c) Proporcionar o envolvimento em atividades externas como benefício na redução da ansiedade e tensão.
Isolamento: Interação social afetada correlacionada a efeitos comportamentais. a) Promover eventos na comunidade com assuntos direcionados ao climatério para esclarecimentos sobre o assunto; b) Descrever essa fase da vida como marcada por potencial de conhecimento intelectual pessoal e de comprometimento e iniciação em novas atividades; c) Inferir as alterações que freqüentemente ocorrem na meia vida: afastamento dos filhos, envelhecimento, dependência dos pais, possível perda de parentes e outros.
Disfunção sexual: Padrões de sexualidade ineficazes. a) Esclarecer que a atividade sexual freqüente ajuda a manter a elasticidade da vagina; b) Orientar quanto ao uso de lubrificantes diminuindo o desconforto, evitando a dispareunia (relação sexual dolorosa); c) Orientar quanto ao tono diminuído da musculatura perineal, encorajando a praticar exercícios perineais como parasse a micção: manter por 5-10 segundos e soltar: repetir com freqüência durante o dia.

SOF relacionada: Quais orientações o Agente Comunitário de Saúde pode repassar para pacientes na menopausa?