Devemos revacinar crianças que não apresentarem cicatriz vacinal da BCG?

Crianças que foram vacinadas com a vacina BCG e que não apresentem cicatriz vacinal após seis meses, devem ser revacinadas apenas mais uma vez, mesmo que não apresentem cicatriz novamente.

A presença da cicatriz vacinal é considerada como dose para efeito de registro, independentemente do tempo transcorrido entre a vacinação e o aparecimento da cicatriz. A cicatriz aparece geralmente a partir da terceira semana após a aplicação. Em alguns casos, essa cicatrização é mais demorada, podendo prolongar-se até o quarto mês e, raramente, além do sexto mês. A vacina BCG é indicada para crianças até os 4 anos, 11 meses e 29 dias para prevenir as formas graves da tuberculose, como a meningoencefalite tuberculosa e a tuberculose miliar. O esquema de vacinação com a vacina BCG corresponde à aplicação de dose única o mais precocemente possível após o nascimento. A administração da vacina BCG deve ser adiada quando a criança apresentar peso inferior a 2 kg ou quando apresentar lesões graves de pele. A administração da vacina é feita é intradérmica, no braço direito, na altura da inserção do músculo deltoide, essa localização permite fácil verificação da existência de cicatriz. SOF relacionadas:
  1. No acompanhamento de puericultura, qual a conduta para crianças que mesmo vacinadas, não apresentam a cicatriz vacinal da BCG?
  2. Como proceder quando o diagnóstico do caso índice foi realizado após a vacina BCG ter sido dada ao bebê?