Em que casos são indicados realizar o Teste de Schiller?

O Teste de Schiller somente é contra indicado em pacientes que relatam alergia ao iodo, caso contrário ele deve ser realizado em todas as mulheres. No Brasil, estima-se que o câncer de colo de útero seja o terceiro mais comum na população feminina, sendo superado pelo câncer de pele (não-melanoma) e pelo câncer de mama.
Esta alta incidência está diretamente relacionada à ausência de uma política que privilegie a educação para prevenção, bem como a baixa resolutividade dos serviços de saúde. Por este motivo, é digno de uma atenção especial das autoridades, dos profissionais em saúde e da população em geral.
O câncer do colo uterino apresenta um dos mais altos potenciais de prevenção e cura, chegando perto de 100%, quando diagnosticado precocemente.
A colpocitologia oncócita também conhecida sob as denominações de exame de Papanicolau, exame preventivo, exame citológico ou exame citopatológico, é amplamente usado na prevenção do câncer do colo de útero. Consiste na coleta de material cérvico-vaginal (células oriundas da ectocérvice) com o objetivo de identificar alterações celulares que precedem e/ou caracterizam o processo neoplásico, além de permitir identificação da microflora vaginal. É considerado um método de baixo custo que torna possível a detecção de lesões precursoras de formas iniciais da doença.
Todavia, a identificação de processos neoplásicos apenas pelo exame de Papanicolau, como é comumente conhecido, pode apresentar falha, acusando falsos negativos, atingindo índices importantes, por isso a sua associação a outros exames a exemplo do teste de Schiller em sua fase final.
O teste de Schiller tem a finalidade de demarcar áreas de epitélio escamoso cervicovaginal, que é rico em glicogênio e, portanto, adquire uma coloração marrom-escuro. Áreas pobres em glicogênio adquirem uma tonalidade de amarelo suave, caracterizando um teste de Schiller positivo. Esta alteração não significa, necessariamente, a presença de lesão suspeita de neoplasia, devendo ser correlacionada com outros exames pelo ginecologista, assim como, se necessário, a colposcopia.
Assim, o exame de Papanicolau deve ser complementado pelo teste de Schiller, por ser procedimento auxiliar e eficaz na constatação das lesões do colo uterino.
Portanto, a inclusão da obrigatoriedade do Teste de Schiller na realização do Exame de Papanicolau, irá contribuir na melhoria das condições da saúde da mulher e, consequentemente, diminuir as despesas do erário público, uma vez que, sendo detectado precocemente o câncer de colo de útero, o seu tratamento é rápido, eficaz e de baixo custo.

Um segundo estudo relata que o Teste de Shiller ou Teste do Lugol é considerado complementar a citologia convencional, sendo que sua positividade (iodo -) serve de indicação para a realização da colposcopia, enquanto que sua negatividade tranquiliza o responsável pela leitura do exame. (2) (Grau D) A dificuldade de realizar exame ginecológico na Unidade, a importância desse tipo de câncer nas mulheres e a facilidade de realização do Teste de Shiller levantou a possibilidade e a necessidade de realização do mesmo no momento da coleta. Levantamos também a importância da realização do Teste de Schiller durante a coleta da colpocitologia, o que completaria a avaliação do exame, diminuindo as possibilidades de falsos negativos e o encaminhamento para o especialista. SOF relacionada:
  1. Qual a utilidade do teste de Schiller e quando encaminhar pacientes com achados alterados para colposcopia?

Bibliografia Selecionada

  1. Brasil. Poder Legislativo. Diário da Assembléia Legislativa – No. Nº 36 – DOE, de 26 de fevereiro de 2008. Projeito de Lei No 89. Inclui o teste de Schiller nos exames de Papanicolaou realizados pela rede estadual de saúde [Internet]. Diário Oficial Estado de São Paulo, São Paulo, SP; 2008 Fev 26 [citado 2009 Jul 20]. Disponível em: ftp://ftp.saude.sp.gov.br/ftpsessp/bibliote/informe_eletronico/2008/iels.fev.08/iels38/E_PL-89_2008.pdf 
  2. Sarian LO et al.  Evaluation of visual inspection with acetic acid (VIA), Lugol’s iodine (VILI), cervical cytology and HPV testing as cervical screening tools in Latin America. This report refers to partial results from the LAMS (Latin AMerican Screening) study. J Med Screen. 2005;12(3):142-9. Disponível em: http://msc.sagepub.com/content/12/3/142.long
  3. Sistema Bethsda de 2001. Internacional Agency for Research on Cancer. Center Internacional de Recherche Sur Le Cancer [Internet]. Lyon, FR: IARC; 2009 [citado 2009 Jul 20]. Disponível em: http://screening.iarc.fr/atlasclassifbethesda.php?lang=