Existem evidências cientificas sobre o uso do açúcar em úlceras? Quais os agentes tópicos que podemos utilizar neste tipo de ferida?

Existem inúmeros estudos relacionados ao uso do açúcar em lesões, principalmente em lesões infectadas. Porém inexistem estudos com evidências cientifica sobre o uso do açúcar em feridas.z
Segundo a literatura pesquisada, o açúcar tem poder bactericida pela sua osmolaridade, uma vez que a sacarose possui efeito hiperosmótico, destruindo a parede bacteriana. Isto proporciona a diminuição do edema local pela ação liposcópica, à estimulação dos macrófagos e à formação rápida do tecido de granulação.
Quanto aos estudos sobre agentes tópicos para tratamento de úlceras que auxiliam na cicatrização das lesões temos os seguintes:
Curativo com gaze umedecida em solução fisiológica (Grau B): seu mecanismo de ação é manter a umidade na úlcera, favorece a formação de tecido de granulação, amolece os tecidos desvitalizados, estimula o desbridamento autolítico, absorve exsudato.
Hidrocolóide (Grau B): os hidrocolóides são curativos que podem ser apresentados sob a forma de placa, pasta, gel e grânulos as partículas de celulose expandem-se ao absorver líquidos e criam um ambiente úmido, que permite às células do microambiente da úlcera fornecer um desbridamento autolítico. Esta condição estimula o crescimento de novos vasos, tecido de granulação e protege as terminações nervosas. Ele mantém o ambiente úmido, enquanto protege as células de traumas, da contaminação bacteriana, e mantém também o isolamento térmico.
Filme transparente (Grau A e B): o filme transparente é um curativo estéril constituído por uma membrana de poliuretano, coberto com adesivo hipoalergênico. Possui um certo grau de permeabilidade ao vapor de água, dependendo do fabricante. Não adere à superfície úmida da ferida; são coberturas finas, transparentes, semipermeáveis e não absorventes. Seu mecanismo de ação consiste em manter um ambiente úmido entre a úlcera e o curativo, favorece o desbridamento autolítico, protege contra traumas, favorecendo a cicatrização.
Ácidos graxos essenciais (AGE) ou trigliceril de cadeia média (TCM) (Grau B) promovem quimiotaxia (atração de leucócitos) e angiogênese (formação de novos vasos sanguíneos), mantêm o meio úmido e aceleram o processo de granulação tecidual. A aplicação tópica em pele íntegra tem grande absorção: forma uma película protetora, previne escoriações, devido à alta capacidade de hidratação, e proporciona nutrição celular local.

Bibliografia Selecionada

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de condutas para úlceras neurotróficas e traumáticas. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Série J. Cadernos de Reabilitação em Hanseníase No. 2). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_feridas_final.pdf. Acesso em: 06 abr 2015
  2. Rocha JA, Miranda MJ, Andrade MJ. Abordagem terapêutica das úlceras de pressão: intervenções baseadas na evidência. Acta Med Port 2006;19:29-38. Disponível em: http://actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/908/581. Acesso em 06 abr 2015
  3. Poletti NAA. O cuidado de enfermagem a pacientes com feridas crônicas: a busca de evidências para a prática [Tese]. Ribeirão Preto: Universidade de Säo Paulo, 2000.
  4. Santos VLCG. Avanços tecnológicos no tratamento de feridas e algumas aplicações em domicílio. In: Duarte YAO, Diogo MJD. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu; 2000. p. 265- 305.