Existem exames que identificam tatuagem por amálgama que não seja a biopsia?

Sim. O diagnóstico da tatuagem por amálgama é feito essencialmente por meio de exame clínico e radiográfico, devendo a análise histológica ser realizada como diagnóstico diferencial, a fim de se detectar lesões potencialmente graves e de características semelhantes às da tatuagem por amálgama(1).

A tatuagem por amálgama é considerada um tipo de pigmentação enegrecida, tal como outros máculas negras, como a melânica, nevo melânico, pigmentação por cimento endodôntico, lesões vasculares e melanoma, sendo esta última, uma lesão de grande gravidade. Quando da presença de mácula negra e realizado o exame radiográfico sem a detecção de fragmento metálico, a biópsia se faz necessária para que seja descartada a possibilidade de lesão neoplásica melanocítica(2).   Clinicamente, a tatuagem por amálgama tem dimensão pequena (de 0,1 a 2 cm de diâmetro), exibindo a cor negra ou azulada, localizada próxima a restaurações de amálgama, na gengiva e mucosa alveolar e não apresenta sintomatologia(3). A conduta de remoção cirúrgica somente é indicada, caso haja suspeita de outra lesão com conotação patológica(4).