Há benefício em suplementar com megadoses de vitamina A crianças entre 12 a 59 meses beneficiárias do Bolsa Família?

Pelos critérios da OMS não há indicação de suplementação de vitamina A em megadose para a Região Sul do Brasil e mesmo para beneficiários do Bolsa Família que não estejam em municípios prioritários do Plano Brasil Sem Miséria. As crianças sob maior risco para deficiência são as das regiões nordeste e sudeste, moradoras de zonas urbanas e filhas de mães com mais de 35 anos. Crianças em suplementação de vitamina A tem contraindicação de usar megadose por, pelo menos, 4 meses.
O benefício da suplementação de altas doses de vitamina A foi demonstrado em populações de países em desenvolvimento e com deficiência crônica de vitamina A, porém não estão disponíveis análises de subgrupos de pacientes. (1)
A OMS recomenda a suplementação de alta dose de vitamina A para bebês e crianças de 6-59 meses de vida em locais onde a deficiência seja um problema de saúde pública e define como tal, populações onde a prevalência de cegueira noturna é de 1% ou mais em crianças de 24-59 meses de vida ou onde a prevalência de deficiência de vitamina A (retinol no sangue 0,70 µmol/L ou menos) é de 20% ou mais em bebês e crianças de 6-59 meses de vida.(2)
Não são conhecidos os dados de prevalência desta hipovitaminose nas crianças beneficiárias do bolsa família. Dados da pesquisa nacional de demografia e saúde da criança e da mulher (PNDS-2006) apontaram níveis inadequados de vitamina A em 17,4% das crianças menores de 5 anos, sendo as regiões com maiores prevalências o nordeste (19%) e o sudeste (21,6%). Na região sul a prevalência encontrada foi de 9,9%. Morar na zona urbana (p=0,042) e idade materna > 35 anos (p<0,001) foram variáveis associadas a maior prevalência de níveis deficientes da vitamina. (3)
A política de saúde pública atual recomenda que a suplementação seja oferecida para as crianças dos 6-59 meses em todos os municípios das regiões Norte e Nordeste, e municípios prioritários do Plano Brasil Sem Miséria das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul.(4) Cabe ressaltar porém, que a lista destes municípios prioritárias não foi encontrada em nenhum site da administração pública federal. Pode ser interessante o contato com a gestão municipal para confirmar se o seu município integra o programa nacional de suplementação.
Crianças em suplementação diária da vitamina A tem contraindicação de receber megadose. Para receber suplementação através de megadose a criança deve estar há 4 meses sem receber suplementação oral (intervalo mínimo seguro para administração das próprias megadoses).

Aporte dietético A concentração de vitamina A no leite materno varia de acordo com a dieta da mãe. Para crianças amamentadas, pode-se aumentar a oferta de vitamina A orientando uma dieta para mãe rica nesse micronutriente (fígado, gema de ovo, produtos lácteos, folhas verdes escuras, vegetais e frutas cor de laranja) ou suplementando a mãe com essa vitamina. Crianças que recebem leite materno com quantidade suficiente de vitamina A suprem facilmente a necessidade dessa vitamina com a alimentação complementar. Após a introdução dos alimentos complementares, 50g de fígado de boi por semana fornecem a quantidade suficiente de vitamina A para lactentes (de 5 a 12 meses). Atributos APS As equipes de saúde da família, além de oferecer consultas de puericultura, devem estar disponíveis para atender crianças com problemas agudos, evitando assim que as famílias procurem os hospitais desnecessariamente (acesso de primeiro contato - atributo essencial da atenção primária à saúde).