Há indicação de uso de chás de camomila entre outros no tratamento de feridas em membros inferiores. Há alguma evidência quanto à efetividade deste tratamento alternativo?

Pesquisadores estão realizando vários estudos com a fitoterapia, com o intuito de fornecer veracidade ao tratamento realizado com ervas, porém até o momento inexistem estudos que comprovem seu grau de evidência científica, portanto não é recomendado o uso de chá de camomila em lesões.princípios ativos, suas indicações
Quanto a neomicina foram encontrados somente três ensaios clínicos com curta duração. Não existem dados suficientes para recomendar o uso deste agente tópico em tratamento de feridas crônicas infectadas ou contaminadas.
Para realização de curativos em feridas infectadas os agentes tópicos com maior grau de evidência são:
Alginato de Cálcio: possui alta capacidade de absorção, está indicado em feridas com exudação abundante com ou sem infecção, feridas cavitarias e sanguinolentas, deve ser trocado mediante saturação do curativo em média com 24 horas (Grau  B e C).
Carvão Ativado: indicado para feridas fétidas infectadas ou com grande quantidade de exudato, deve ser trocado segundo a saturação em media de 48 h a 72 h pode ser associado a outros produtos como AGE e alginato de cálcio (Grau D).
Soro Fisiológico: favorece o processo de autólise do tecido desvitalizado e a formação de tecido de granulação. É indicado tanto para a limpeza da ferida como para o tratamento, deve ser trocado conforme a saturação do curativo e em media a cada 4 horas (Grau B).

 

SOF Relacionadas:
  1. Qual a indicação de uso do óleo de girassol e do óleo de canola no tratamento de feridas?
  2. Em qual tipo de feridas/úlceras está indicado o uso de papaína a 10%? Pode-se utilizá-la em úlcera isquêmica focal?
  3. Quais plantas medicinais são indicadas para cicatrização de feridas?

Bibliografia Selecionada

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Manual de condutas para úlceras neurotróficas e traumáticas. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Série J. ; Cadernos de Reabilitação em Hanseníase No. 2). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_feridas_final.pdf. Acesso em: 12 maio 2015
  2. Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências, 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
  3. Santos VLCG. Avanços tecnológicos no tratamento de feridas e algumas aplicações em domicílio. In: Duarte YAO, Diogo MJD. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu; 2000. p. 265- 305.