Há indicação do uso de ácido acetil salicílico (AAS) para gestantes com risco de pré-eclâmpsia?

O uso de ácido acetil salicílico (AAS) em baixas doses é recomendado para gestantes de alto risco para pré-eclâmpsia (grau de evidência A) 1 por reduzir em 17% a incidência de pré-eclâmpsia e em 14% a morte fetal ou neonatal. A dose recomendada é de 60 a 150mg (dose baixa) iniciada entre 12 e 28 semanas de gestação2. A identificação precoce de pacientes com risco para pré-eclâmpsia através de fatores de risco ou testes preditores, pode auxiliar na instituição de medidas preventivas com fim de evitar ou retardar a apresentação da doença ou ainda reduzir sua gravidade.

Na tabela estão os principais fatores de risco relacionados a pré-eclâmpsia e identificados na história clínica, e a recomendação do uso de medicação.
Quadro de Risco para Pré-eclâmpsia*
Risco Fatores de risco Recomendação
Alto
  • História de pré-eclâmpsia, especialmente quando acompanhada de desfecho negativo;
  • Gestação múltipla;
  • Diabetes tipo 1 ou 2;
  • Doença renal;
  • Doença autoimune.
Dose baixa de AAS em paciente com 01 ou mais fator de risco
Moderado
  • Nuliparidade;
  • Obesidade (Índice de Massa Corporal superior a 30 kg/m2);
  • História familiar de pré-eclâmpsia (mãe ou irmã);
  • Idade ≥ 35anos;
  • Características sociodemográficas (cor/raça negra e baixa renda);
  • História pessoal (baixo peso ao nascer ou Pequeno para Idade Gestacional, desfecho negativo em gestação anterior, intervalo intergestacional superior a 10 anos).
Considerar baixa dose de AAS se paciente tiver vários destes fatores de riscos
Baixo
  • Gestação prévia a termo sem complicação
Não recomendado AAS
* Inclui somente fatores de risco obtidos pela história clínica. Testes preditivos, como doppler da artéria uterina, não foram incluídos.
Fonte: U.S. Preventive Services Task Force, 2015 Com relação aos testes preditores, a dopplervelocimetria pode ser utilizada para pré-eclâmpsia em gestantes em risco3. Um índice de pulsatilidade (IP) aumentado na artéria uterina está significativamente relacionado ao desenvolvimento de pré-eclâmpsia e outros desfechos desfavoráveis nesta gestação3. Em pacientes de alto risco para pré-eclâmpsia, identificadas através da história clínica ou testes preditivos, outras medidas preventivas podem ser recomendadas.  A suplementação de cálcio reduz a pré-eclâmpsia nas populações de alto risco e com dieta pobre em cálcio; contudo sem efeito no prognóstico perinatal (grau de evidência A)1. Outras estratégias para prevenção de pré-eclâmpsia como dieta com restrição de proteína ou sal, exercícios, repouso, suplementação de ácido fólico e progestágenos  tem evidência insuficiente de benefício1. A equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) tem o importante papel de iniciar o acompanhamento  pré-natal precocemente e de forma qualificada o que irá permitir a identificação dos fatores de risco para pré-eclampsia e instituição de medidas preventivas. Além disto tem o atributo de  coordenar o cuidado destas pacientes que também serão acompanhadas no ambulatório de alto risco. SOF relacionadas:
  1. Quais as contra-indicações para o uso de Ácido Acetilsalicílico (AAS) na prevenção primária e secundária de doenças cardiovasculares?
  2. O uso concomitante de AAS reduz o tempo para início do efeito antidepressivo da Fluoxetina?
  3. Qual a melhor opção para prevenção secundária de Acidente Vascular Cerebral (AVC) isquêmico: Ácido Acetilsalicílico ou Clopidogrel?
  4. O uso de cilostazol apresenta melhora sintomática comprovada para pacientes com doença arterial periférica? E o AAS?
  5. Qual a dose ideal de Ácido Acetilsalicílico (AAS) para prevenção primária ou secundária de eventos cardiovasculares?
  6. AAS X AAS + Clopidogrel. Qual o melhor tratamento para prevenção secundária do AVC isquêmico?