O que fazer quando observada uma alteração visível ao exame especular durante a coleta de citopatológico de colo uterino? Aguardar o resultado ou encaminhar à colposcopia?

Sim, deve-se encaminhar esta paciente para a colposcopia porque a indicação mais comum de encaminhamento para a colposcopia é um resultado positivo no exame de triagem.
Os achados anormais da citologia costumam deixar a mulher preocupada, assim como ter que se submeter a exame colposcópico.
Vale a pena fazer algumas advertências clínicas. Se o profissional observa características suspeitas no colo uterino, independentemente dos achados da citologia, é aconselhável encaminhar a paciente para um exame colposcópico.
Além disso, a presença de uma área da leucoplasia (hiperqueratose) no colo uterino deve levar a um exame colposcópico, já que a leucoplasia não apenas pode estar encobrindo uma lesão, como também impedir a coleta adequada de amostras citológicas da área.

SOF relacionadas:
  1. A demora de 30 a 40 dias no resultado do exame citopatológico de colo uterino pode determinar um prognóstico de lesões suspeitas de neoplasia intra-epitelial cervical?
  2. Como devo proceder frente a um laudo de exame citopatológico de colo de útero com metaplasia?
  3. Devemos recoletar o exame de Papanicolau se o resultado deu ausência de JEC?
  4. Deve-se repetir o citopatológico quando o resultado contém apenas representação do epitélio escamoso?
  5. O que significa citólise no resultado do exame de Papanicolau (CP de colo do útero)?
  6. O que significa metaplasia escamosa imatura no resultado do Papanicolau (CP do colo de útero)?
  7. O que significa paraceratose no resultado de exame citopatológico de colo de útero?
  8. Qual a conduta para resultado de epitélio escamoso do citopatológico de colo uterino?
  9. Qual conduta em pacientes com resultado de citopatológico do cólo uterino evidenciando presença de TORULUPSIS na microbiologia?

Bibliografia Selecionada

  1. Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
  2. Howard M, Sellors J, Lytwyn A. Cervical intraepithelial neoplasia in women presenting with external genital warts. CMAJ. 2002 Mar 5;166(5):598-9.