O que devemos fazer para prevenir e tratar a acne na adolescência?

Acne vulgar é uma doença dermatológica bastante comum associada à produção dos hormônios. Ela afeta as glândulas pilossebáceas que passam a produzir uma quantidade maior de secreção gordurosa. Essa secreção não consegue ultrapassar a abertura do poro e ali se acumula formando comedões abertos (cravos pretos) que oxidam e escurecem em contato com o ar, ou comedões fechados (cravos brancos). O acúmulo dessa substância retida pela obstrução dos folículos pilosos favorece a infecção por bactérias, especialmente pela Propionibacterium acnes. A acne vulgar não é contagiosa. A doença se manifesta mais na puberdade, adolescência e nos adultos jovens. Nas mulheres, pode persistir por mais tempo e é chamada acne da mulher adulta. Nesses casos, as lesões se instalam especialmente na região da mandíbula e podem estar correlacionadas com o ciclo menstrual. Nos homens, os quadros costumam ser mais graves e, sem tratamento, podem se estender por décadas.
Existem tratamentos eficazes para acne que tratam espinhas existentes e impedem que novas se desenvolvam. Além disso, os tratamentos cosméticos podem ajudar a reduzir cicatrizes e alterações na cor da pele causadas por acne. O papel da dieta no surgimento da acne é controverso. Alguns estudos encontraram associações muito fracas entre o leite de vaca e o aumento do risco de acne, talvez por causa dos hormônios presentes naturalmente no leite. No entanto, não há evidência que o leite e outros alimentos ricos em gordura, como o chocolate, aumentem o risco de acne. O estresse emocional pode provavelmente piorar a acne. Vários estudos mostram que alunos, em períodos de prova e avaliação, agravam a manifestação da acne nesta época.
Acne é uma doença multifatorial. Hereditariedade, predisposição genética, alterações na produção dos hormônios sexuais, infecção por bactérias e até o estresse emocional são considerados fatores de risco para a manifestação do problema ou agravamento do quadro. Embora não haja estudos comprovando a correlação entre a dieta e o aparecimento das lesões, se o paciente notar que certos alimentos gordurosos (chocolate, frituras, nozes, amendoins, por exemplo) pioram as crises, pode-se sugerir que eles sejam excluídos da dieta habitual. Pessoas com pele oleosa devem evitar também o uso de produtos de maquilagem, loções e hidratantes gordurosos.
Não há um tratamento mais eficaz ou específico para a acne e combinações de tratamentos são muitas vezes necessários. As lesões de acne levam em torno de 8 semanas para “amadurecer”, portanto tratamentos curtos ou “milagrosos” não são eficazes. Os tratamentos mais eficazes duram de dois a três meses. O tratamento deve ser indicado considerando-se o tipo e a gravidade das lesões e deve ser mantido até seu desaparecimento completo. Nos casos mais leves, pode ser suficiente a aplicação local de medicamentos (tretinoína/ácido retinoico, peróxido de benzoíla) para desobstruir os folículos pilosos, controlar a oleosidade e impedir o desenvolvimento de bactérias. Os antibióticos por via oral ou tópica ou, ainda, sob a forma de injeções no interior das lesões representam uma opção terapêutica para os casos de acne inflamatória e purulenta. Limpeza da pele para remover os comedões abertos e fechados só faz sentido se fizer parte do tratamento da acne prescrito pelo médico.

São orientações importantes para as pessoas com acne:

  • lavar o rosto várias vezes por dia não previne o aparecimento da acne nem melhora as lesões já instaladas, mas ajuda muito a limpar a pele e controlar a oleosidade desta. Atentar para não utilizar água quente;
  • espremer as espinhas pode resultar na formação de cicatrizes definitivas;
  • expor o rosto aos raios solares não tem efeito curativo sobre as lesões da acne;
  • o uso de protetor solar, principalmente gel, por ser menos oleoso, objetiva evitar hiperpigmentação pós-inflamatória (escurecimento das manchas);
  • procurar ajuda psicológica pode ser um recurso importante para as pessoas com acne com prejuízo da autoestima;
  • seguir o tratamento e as orientações médicas é o melhor caminho para tratar o problema médico. Caso o grau das lesões da acne seja grave, o paciente deverá ser encaminhado ao dermatologista.
  • O acompanhamento regular deste paciente, principalmente facilitando o acesso para os adolescentes, é uma forma efetiva de estabelecer vínculo com este usuário, em uma fase tão importante do desenvolvimento do ser humano. Aproveitar estas oportunidades para abordar assuntos como sexo seguro, uso de preservativo, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, planejamento familiar (uso de métodos contraceptivos), etc, é muito importante e não pode ser esquecida pelos integrantes da equipe de saúde.
SOF Relacionadas:
  1. Qual o melhor tratamento para as “espinhas” (acne) na adolescência?
  2.  Como fazer tratamento da acne na atenção primária?