O que pode ser abordado sobre a febre Chikungunya?

Várias abordagens podem ser feitas com a população no sentido de disseminar o conhecimento sobre essa doença, que vem se mostrando expressiva no Brasil a partir desse ano diante dos casos importados e daqueles contraídos dentro do próprio território nacional.
A Chikungunya é uma doença de natureza febril infecciosa, causada por um vírus do gênero Alphavirus, chamado vírus Chikungunya. Ela é transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Os sintomas provocados pela doença são: febre alta (acima de 39ºC) e de início repentino, dor muscular e nas articulações dos pés e mãos, dor de cabeça e manchas na pele, durando de três a 10 dias. Cerca de 30% dos casos não desenvolvem os sintomas. O risco de morte é raro, diferentemente do comportamento provocado por outras viroses transmitidas por mosquitos, a exemplo da dengue.
No momento atual, ainda não foram produzidos vacinas ou medicamentos para prevenir ou tratar a infecção, apesar de haver um interesse renovado no desenvolvimento desses recursos, como mostra uma publicação de 2013. O tratamento é sintomático e consiste na administração de remédio para dor, febre e anti-inflamatórios não-esteróides, hidratação e repouso.

No Brasil, em 2010, tinham sido detectados três casos da doença em pessoas que vieram de fora do país. Até outubro de 2014, foram identificados 337 casos da doença, 87 confirmados por critério laboratorial e 250 definidos por critérios clínico-epidemiológicos. Muitos deles foram descobertos em pessoas que viajaram para países com transmissão da doença (República Dominicana, Haiti, Venezuela, Ilhas do Caribe, Guiana Francesa) e poucos tinham sido autóctones. O vírus também circula em alguns países da África e Ásia, sendo identificado, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, em 19 países desde 2004. Historicamente, a estratégia mais utilizada para minimizar a carga de doenças transmitidas por mosquito é a intensificação dos esforços de controle destes insetos em áreas com alto risco de transmissão ou elevados níveis de incidência da doença. Sendo assim, é importante orientar as pessoas para que destruam os criadouros do mosquito da mesma forma que fazem para evitar a dengue (verificar se a caixa d ́água está bem fechada; não acumular vasilhames no quintal; verificar se as calhas não estão entupidas; e colocar areia nos pratos dos vasos de planta). Nesse sentido, o combate à doença fica estabelecido e a chance de ocorrência de epidemias é menor. SOF relacionadas:
  1. O que devemos saber sobre a Febre do Chicungunya?
  2. Como é realizado o diagnóstico e qual é o manejo clínico na febre do Chicungunya?
  3. Como se dá o processo de cronificação da Febre de Chikungunya?
  4. Como deve ser o manejo do corticóide em casos de Febre Chikungunya?
  5. Como diferenciar Dengue, Chikungunya e Zika?
  6. Paciente na fase aguda de Chikungunya pode ser vacinado contra H1N1?