O tratamento antirrábico pode ser realizado em gestante?

Devido à evolução fatal da doença não há contraindicação específica para vacina e soro em caso de profilaxia pós-exposição para as gestantes e lactantes(1,2). Em casos de pré-exposição, ou seja, mulheres grávidas que tenham uma ocupação que promova o contato com possíveis animais portadores da doença e exposição ocasional (em casos de viagens ou surtos locais) deve-se avaliar o risco-benefício. É preciso lembrar que, devido à alta letalidade da doença, o esquema de imunização deve ser seguido de maneira precisa(1).

No esquema de pré-exposição, deve ser administrada três doses da vacina: uma no dia zero; a segunda no 7º dia e a última no 28º dia. Se a pessoa realizou a profilaxia e foi exposta ao vírus, deve-se avaliar se haverá a necessidade da tomar outra dose ou não (de acordo com comprovação sorológica com títulos protetores). No caso de profilaxia pós-exposição, é preciso avaliar o estado do animal, a natureza da agressão e o tipo de exposição, para realizar a conduta de forma correta. Deve seguir o esquema para profilaxia antirrábica humana pós-exposição conforme o Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação do Ministério da Saúde(1).

A raiva é uma doença infecciosa viral aguda transmitida ao homem pela saliva de animais infectados, principalmente por meio da mordedura, podendo ser transmitida também pela arranhadura e/ou lambedura em mucosa desses animais(2).