Os sintomas da menopausa são todos de origem psicológica? Todas as mulheres devem fazer reposição hormonal? Existem plantas medicinais que combatam os sintomas da menopausa?

Desde 2002 quando estudos bem desenvolvidos demonstraram mais riscos do que benefícios o uso da reposição hormonal está selecionado para poucos casos específicos e não deve ser usado de forma indiscriminada para todas as mulheres.
Os sintomas da menopausa são realmente bastante incômodos para muitas mulheres e não devem ser desprezados. Não podemos dizer que se tratem de sintomas psicológicos somente.
Existem medicamentos que combatem estes sintomas e têm-se estudado alguns compostos naturais como a isoflavona que é derivada da soja. A decisão de se iniciar qualquer medicamento, mesmo que de origem natural deve ser tomada pelo médico, pois mesmo estes podem interferir em outros tratamentos ou causar reações indesejáveis.
Do ponto de vista preventivo e dentro das atividades dos Agentes de Saúde existem medidas que devem ser estimuladas e que muitas vezes são mais benéficas que o uso de medicamentos para o combate dos sintomas da menopausa. São eles: estímulo a atividade física diária, alimentação saudável rica em verduras, legumes e frutas, redução do consumo de gorduras de origem animal e aumento do consumo de gorduras boas como as nozes, castanhas, amêndoas, peixes, óleos crus (soja, canola, milho, girassol, oliva), manutenção de atividade social (grupos de vizinhança, trabalho em atividades comunitárias e/ou humanitárias).

SOF relacionadas:
  1. A Terapia de Reposição Hormonal (TRH) pode ser instituída em Atenção Primária à Saúde?
  2. Pacientes que não estão no climatério e que realizaram histerectomia ou ooforectomia devem receber que tipo de terapia de reposição hormonal?
  3. Como proceder se em vigência de Terapia de Reposição Hormonal com estrógenos conjugados houver fluxo menstrual?
  4. Quais os riscos e benefícios da terapia de reposição hormonal na menopausa?

Bibliografia Selecionada

  1. Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.