O que fazer quando o paciente com DM2 em uso de insulina basal, mantem o controle glicêmico insatisfatório?

A dieta e as atividades físicas devem ser revisadas nos pacientes em que o controle glicêmico é ruim apesar da terapia insulínica. Em geral, uma dieta inadequada e/ou doses insuficientes de insulina são a base da falha terapêutica desses pacientes.
Observados esses aspectos, ao invés de aumentar indefinidamente as doses das insulinas basais, recomenda-se associar uma insulina rápida ao esquema de aplicação de insulina (4 a 10 UI em cada refeição). Essas reposições insulínicas usando o esquema basal/bolus estão indicadas para pacientes que necessitam de controle glicêmico intensivo e passaram a apresentar glicemias pós-prandiais acima dos objetivos glicêmicos, a despeito de estarem em uso de insulina NPH.
A análise das glicemias capilares pós-prandiais obtidas pelo paciente orientará na adoção dos esquemas abaixo:
Esquema 1: manutenção da insulinização basal e adição de insulina Regular ou, de preferência, um análogo de ação ultrarrápida (Aspart, Lispro ou Glulisina), antes da principal refeição do dia.
Indicação: hiperglicemia pós-prandial a despeito do Esquema 1
Esquema 2: manutenção do esquema 1 e adição de insulina Regular ou, de preferência, um análogo de ação ultrarrápida (Aspart, Lispro ou Glulisina), antes de uma segunda refeição do dia.
Indicação: hiperglicemia pós-prandial ocorre após mais de uma refeição, a despeito do Esquema 1
Esquema 3: Insulinização plena convencional (insulina NPH e Regular antes do café da manhã e jantar)
A terapia conjunta de insulina regular (antes do café da manhã e do jantar) e de NPH resulta em quatro picos de ação, cobrindo a manhã, tarde, noite e madrugada. Sua dose ótima depende de vários fatores, incluindo nível glicêmico atual, conteúdo de carboidrato da refeição e atividades físicas.
No ajuste das doses da insulina, procure acertar inicialmente a glicemia de jejum (menor que 110), em seguida as glicemias pré prandiais (menor que 110) e posteriormente as glicemias pós prandiais (duas horas após refeição menor que 140).

SOF Relacionadas:
  1. O que fazer diante de um paciente com diabetes mellitus com controle glicêmico ruim?
  2. Por que um paciente não consegue atingir as metas almejadas no tratamento do diabetes mellitus tipo 2?
  3. Quais os cuidados gerais para paciente com DM2 em insulinoterapia? Como monitorar?
  4. Como insulinizar o paciente com DM2? Com quais doses começar?
  5. Quais opções de insulinização do paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  6. Quando insulinizar o paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  7. Qual a orientação para a aplicação da mistura de insulina NPH com insulina regular?
  8. Quantas vezes reutilizar uma seringa para aplicação de insulina?

Bibliografia Selecionada

  1. Inzucchi, Silvio E, et al. Management of hyperglycemia in type 2 diabetes: a patient-centered approach position statement of the American Diabetes Association (ADA) and the European Association for the Study of Diabetes (EASD). Diabetes care. 2012;35(6):1364-79.
  2. Dewitt, Dawn E, Hirsch, Irl B. Outpatient insulin therapy in type 1 and type 2 diabetes mellitus: scientific review. Jama. 2003;289(17):2254-64.
  3. De Melo, Karla FS. “Como e quando usar insulina no paciente com diabetes mellitus tipo 2: o papel do clínico/cardiologista.” Revista da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul • Ano XV nº 08 Mai/Jun/Jul/Ago 2006.