A cárie dentária pode impactar na qualidade da saúde bucal de crianças na primeira infância?

A presença da cárie dentária poderá afetar negativamente a qualidade de vida relacionada à saúde bucal (QVRSB) tanto da criança como a da sua família(1), levando, muitas vezes, a uma condição bucal de completa destruição dentária e dor, comprometendo a mastigação, promovendo a perda de apetite e de peso, déficit de crescimento, dificuldades na fonação, alteração nos padrões de sono, diminuição do rendimento escolar, além de alteração no comportamento (baixa autoestima).

A percepção dos pais acerca dos problemas bucais enfrentados pela criança é essencial para que haja procura ao serviço odontológico e sucesso na implementação de programas voltados à saúde bucal, bem como na orientação acerca dos cuidados domiciliares com a higiene bucal, controlando a doença cárie, levando, então, a uma melhora na QVRSB de crianças na primeira infância. Atualmente, a cárie dentária constitui-se num dos problemas de saúde bucal mais comuns que afetam a população infantil em países em desenvolvimento ao redor do mundo, sendo a cárie precoce da infância (CPI) uma patologia multifatorial e crônica que acomete a dentição decídua de crianças em idade pré-escolar, sendo, portanto, classificada pela Academia Americana de Odontopediatria como a presença de uma ou mais superfícies dentárias cariadas (lesões cavitadas ou sem cavitação), ausência (devido à cárie) ou a existência de restaurações em qualquer dente decíduo em crianças com até seis anos de idade(2). Uma pior QVRSB foi demonstrada na presença de cárie dentária não tratada em muitos estudos(3,4), sendo que foi observada uma associação significativa entre o aumento da gravidade da doença e escores mais altos dos instrumentos, indicando uma pior QVRSB à medida que a doença se torna mais grave(5). Alguns fatores sociodemográficos bem como o conhecimento dos pais sobre saúde bucal também têm sido demonstrados como fatores influenciadores na QVRSB de crianças(6). Há inúmeros instrumentos utilizados para mensurar a QVRSB na população infantil, porém há poucos instrumentos usados especificamente em crianças em idade igual ou inferior a 6 anos. Dentre eles, podemos citar: o ECOHIS – Early Childhood Oral Health Impact Scale, baseado em relatos secundários dos pais, mesmo sabendo que os relatos secundários e auto-relatos das crianças mensuram realidades diferentes, e o Scale of Oral Health Outcomes for 5-year-old children –SOHO-5, que usa auto-relatos de crianças a partir de 5 anos de idade e de seus pais para avaliar a condição bucal da criança. Ambos os instrumentos citados foram adaptados e validados ao idioma português do Brasil com o intuito de avaliar o impacto das doenças bucais na QVRSB nesta determinada população(5, 7,9). Atributos da APS O paciente com CPI deve ser encaminhado ao Cirurgião-Dentista para avaliação do caso e estabelecimento do melhor tratamento educativo-preventivo-curativo a ser implementado, sempre envolvendo o núcleo familiar. Aplicar um instrumento apropriado que meça o impacto da doença cárie na QVRSB de crianças na primeira infância e de seus pais é essencial e deve ser uma prioridade dos gestores que atuam na Atenção Primária á Saúde.