Pode-se usar betabloqueador em paciente com asma?

Em geral, não se recomenda o uso de betabloqueadores em doenças que cursam com broncoespasmo, como asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). História de broncoespasmo relacionado ao betabloqueador é contraindicação absoluta ao uso.

Os possíveis efeitos prejudiciais dos betabloqueadores são o aumento da obstrução brônquica e da reatividade da via aérea, além da diminuição do efeito de beta-agonistas inalatórios, como o salbutamol. Recentemente, alguns estudos têm demonstrado que o uso de betabloqueadores cardiosseletivos, aqueles que bloqueiam principalmente o receptor beta-1 como o metoprolol e o atenolol, pode ser seguro em pacientes com doença de via aérea leve a moderada. A evidência desses estudos é limitada e o acompanhamento foi de curto prazo. Em relação ao DPOC, existem dados mais robustos de segurança, incluindo tendência à redução de mortalidade global, provavelmente pelo efeito cardiovascular. Em pacientes com asma, deve-se ter muita cautela nos casos não controlados ou nos casos em que há obstrução na espirometria. Em situações específicas com forte indicação de uso de betabloqueadores como, por exemplo, cardiopatia isquêmica, insuficiência cardíaca e arritmias, em pacientes que não tenham doença respiratória grave, o uso dos betabloqueadores cardiosseletivos pode ser cogitado, desde que haja monitoramento frequente e seja utilizada a menor dose possível.