Por que os diabéticos são mais vulneráveis à amputação de dedos, pés ou pernas?

Os diabéticos são mais vulneráveis a amputação de membros inferiores, pois o Diabetes Mellitus é uma doença metabólica crônica e se caracteriza por uma variedade de complicações, entre as quais se destaca o pé diabético, considerado um problema grave e com consequências muitas vezes devastadoras diante dos resultados das ulcerações, que podem implicar em amputação de dedos, pés ou pernas. (1).

A neuropatia diabética, que é quando os nervos responsáveis pela nossa sensação de dor e tato estão afetados pelo diabetes, pode causar perda da sensibilidade protetora dos pés, deixando-os mais sujeitos a machucados, feridas ou até mesmo amputação de parte dos membros inferiores (dedos, pés, perna) (2).

O ACS tem atribuições bastante específicas com relação aos pacientes com diabetes mellitus (3):

– Registrar, em sua ficha de acompanhamento, o diagnóstico de diabetes de cada membro da família.
– Encorajar uma relação paciente-equipe colaborativa, com participação ativa do paciente e, dentro desse contexto, ajudar o paciente seguir as orientações alimentares, de atividade física e de não fumar, bem como de tomar os medicamentos de maneira regular.
– Estimular que os pacientes se organizem em grupos de ajuda mútua, como, por exemplo, grupos de caminhada, trocas de receitas, técnicas de auto-cuidado, entre outros.
– Questionar a presença de sintomas de elevação e/ou queda do açúcar no sangue aos pacientes com diabetes identificado, e encaminhar para consulta extra.
– Verificar o comparecimento dos pacientes com diabetes às consultas agendadas na unidade de saúde (busca ativa de faltosos).

Complementação - O diabetes mellitus (DM) é um dos problemas de saúde mais importantes da atualidade, por ser uma doença com elevada morbidade e mortalidade (1). É uma doença crônica, autoimune, caracterizada pela deficiência da produção de insulina pelo organismo. O problema envolve o metabolismo da glicose no sangue, podendo ser apresentado de várias maneiras (4). Diabetes tipo 1 é em geral abrupta, acometendo principalmente crianças e adolescentes sem excesso de peso. Na maioria dos casos, a hiperglicemia é acentuada, evoluindo rapidamente para cetoacidose, especialmente na presença de infecção ou outra forma de estresse (4). O DM tipo 2 costuma ter início insidioso e sintomas mais brandos. Manifesta-se, em geral, em adultos com longa história de excesso de peso e com história familiar de DM tipo 2. No entanto, com a epidemia de obesidade atingindo crianças, observa-se um aumento na incidência de diabetes em jovens, até mesmo em crianças e adolescentes (5). O diabetes apresenta alta morbimortalidade, com perda importante na qualidade de vida. Está associado à hiperglicemia e a um maior risco de eventos cardiovasculares, alterações renais e oftalmológicas, neuropatia periférica, úlceras e amputações de membros inferiores (6). Úlceras de pés e amputação de extremidades são as complicações mais graves. Sua prevenção primária visa prevenir neuropatia e vasculopatia. O monitoramento de um conjunto de fatores que eleva o risco de úlcera e amputação de extremidades, tornando sua prevenção mais custo-efetiva. Para tanto, os seguintes pontos são fundamentais (7):

1. Avaliar os pés dos pacientes anualmente quanto a:

• História de úlcera ou amputação prévia, sintomas de doença arterial periférica, dificuldades físicas ou visuais no cuidados dos pés. • Deformidades dos pés (pé em martelo ou dedos em garra, proeminências ósseas) e adequação dos calçados; evidência visual de neuropatia (pele seca, calosidade, veias dilatadas) ou isquemia incipiente; deformidades ou danos de unhas.

2. Discutir a importância dos cuidados dos pés como parte de programa educativo para prevenção de úlcera e amputação.

3. Negociar um plano de cuidado baseado nos achados clínicos e da avaliação de risco.

4. Oferecer apoio educativo para cuidados dos pés de acordo com as necessidades individuais e o risco de úlcera e amputação.

5. Avaliar o risco do paciente de acordo com os achados clínicos.

6. Planejar intervenções baseadas nas categorias de risco.

Classificação de risco do pé diabético (7)

- Sem risco adicional: sem perda de sensibilidade; sem sinais de doença arterial periférica, sem outros fatores de risco. - Em risco: presença de neuropatia; um único outro fator de risco. - Alto risco: diminuição da sensibilidade associada à deformidade nos pés ou evidência de doença arterial periférica; ulceração ou amputação prévia (risco muito elevado). - Com presença de ulceração ou infecção: ulceração presente.

Atributos da APS - O cuidado com o diabetes normalmente é complexo e demorado, baseado em muitas áreas do cuidado à saúde. As mudanças de estilo de vida necessárias, a complexidade do manejo e os efeitos adversos do tratamento fazem do autocuidado e da educação para as pessoas com diabetes peças centrais no manejo (coordenação do cuidado) (6). Anualmente devem ser reforçadas as medidas para o controle glicêmico, tanto não farmacológicas (dieta saudável, atividade física regular e cessação do tabagismo), quanto farmacológicas (adesão ao tratamento, uso de antidiabéticos orais e aplicação de insulina quando necessário). Sessões individuais ou material informativo devem ser oferecidos às pessoas incapazes ou não dispostas a participar de atividades em grupo (acesso, integralidade, longitudinalidade, coordenação dos cuidados, orientação comunitária) (6). Educação em Saúde - Orientações educacionais básicas para cuidados dos pés (7):

- Examinar os pés diariamente. Se necessário, pedir ajuda a familiar ou usar espelho; - Avisar o médico se tiver calos, rachaduras, alterações de cor ou úlceras; - Vestir sempre meias limpas, preferencialmente de lã, algodão, sem elástico; - Calçar sapatos que não apertem, de couro macio ou tecido. Não usar sapatos sem meias; - Sapatos novos devem ser usados aos poucos. Usar inicialmente, em casa, por algumas horas por dia; - Nunca andar descalço, mesmo em casa; - Lavar os pés diariamente, com água morna e sabão neutro. Evitar água quente. Secar bem os pés, especialmente entre os dedos; - Após lavar os pés, usar um creme hidratante á base de lanolina, vaselina liquida ou glicerina. Não usar entre os dedos; - Cortar as unhas de forma reta, horizontalmente; - Não remover calos ou unhas encravadas em casa; procurar equipe de saúde para orientação.

10 Coisas que Você Precisa Saber Sobre Diabetes (8) - http://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-diabetes/ SOF relacionadas:  
  1. Qual profissional de saúde tem competência para avaliação do pé diabético com uso de estesiômetro?
  2. Como avaliar os pés dos pacientes diabéticos? É indispensável usar monofilamento para testar sensibilidade?
  3. O que é membro fantasma pós-amputação de pé diabético e quais orientações podem ser dadas ao paciente e seus familiares?