Posso usar Bromocriptina para supressão a lactação em mulheres após aborto?

Não foram encontrados Ensaios Clínicos Randomizados cujo objetivo fosse avaliar a supressão da lactação em pacientes em uso de Bromocriptina comparadas ao uso de outras drogas. Porém a literatura é vasta ao relatar diversos casos de eventos adversos do uso da Bromocriptina em puérperas.
A Bromocriptina foi muito utilizada para a supressão da lactação. No entanto, após relatos de episódios de hipertensão arterial, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral hemorrágico em puérperas, essa droga foi proscrita para tal fim.
De acordo com especialistas (Grau D), a supressão mecânica é o método mais simples e seguro para suprimir a lactação. Caso o período da amamentação deva ser suprimido abruptamente, sugere-se que a mulher evite a estimulação dos mamilos, evite a expressão mamária e use sutiãs confortáveis. Além disso, compressas de gelo e analgésicos podem ser úteis. Caso deseje que a supressão seja feita antes do inicio do período da amamentação as mesmas recomendações acima citadas devem ser seguidas. Haverá uma regressão gradual no período de 2 a 3 dias.
Alternativas medicamentosas como Cabergolina, que possui menos efeitos adversos, estão agora disponíveis, porém ressalta-se aqui a necessidade de monitorização dessas pacientes. A Cabergolina não deve ser utilizada em mulheres com hipertensão causada pela gravidez, por exemplo, pré-eclâmpsia ou hipertensão pós-parto. Doses de 1 mg administradas precocemente após o parto inibem a lactação completamente. Quando a lactação já está estabelecida, administra-se 0,25 mg duas vezes ao dia por 2 dias.
Existem ainda outras drogas capazes de suprimir a lactação, são elas: estrógenos, ergotamina, ergometrina, lisurida, levodopa, pseudo-efedrina, nicotina, bupropiona, diuréticos e testosterona.
Estudo recente duplo-cego randomizado demonstrou redução de 24% da produção média de leite em nutrizes em uso de pseudo-efedrina na dose de 60 mg de 6 em 6 horas quando comparada com placebo. Tal inibição supostamente se deve à redução dos níveis séricos de prolactina.
Ressalta-se a necessidade de mais estudos bem delineados para que se conclua qual o real benefício da utilização das drogas acima citadas.

 

 

 

Bibliografia Selecionada

  1. Hopp L, Haider B, Iffy L. Myocardial infarction postpartum in patients taking bromocriptine for the prevention of breast engorgement. Int J Cardiol. 1996 Dec 13;57(3):227-32. Disponível em: http://ac.els-cdn.com/S0167527396027891/1-s2.0-S0167527396027891-main.pdf?_tid=149f3286-ce7a-11e4-93bd-00000aacb35f&acdnat=1426798625_446a8195b5c77cbcc9e86d47a0b323f5
  2. Hopp L, Weisse AB, Iffy L. Acute myocardial infarction in a healthy mother using bromocriptine for milk suppression. Can J Cardiol. 1996 Apr;12(4):415-8.
  3. Dutt S, Wong F, Spurway JH. Fatal myocardial infarction associated with bromocriptine for postpartum lactation suppression. Aust N Z J Obstet Gynaecol. 1998 Feb;38(1):116-7.
  4. Iffy L, Lindenthal J, Mcardle JJ, Ganesh V. Severe cerebral accidents postpartum in patients taking bromocriptine for milk suppression. Isr J Med Sci. 1996 May;32(5):309-12.
  5. Rayburn WF. Clinical commentary: the bromocriptine (Parlodel) controversy and recommendations for lactation suppression. Am J Perinatol. 1996 Feb;13(2):69-71.
  6. de Groot AN, van Dongen PW, Vree TB, Hekster YA, van Roosmalen J. Ergot alkaloids. Current status and review of clinical pharmacology and therapeutic use compared with other oxytocics in obstetrics and gynaecology. Drugs. 1998 Oct;56(4):523-35.
  7. Aljazaf K, Hale TW, Ilett KF, Hartmann PE, Mitoulas LR, Kristensen JH, Hackett LP. Pseudoephedrine: effects on milk production in women and estimation of infant exposure via breastmilk. Br J Clin Pharmacol. 2003 Jul;56(1):18-24. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1046/j.1365-2125.2003.01822.x/full