Quais as atribuições de um Agente Comunitário de Saúde frente a um caso de meningite confirmado na comunidade?

O Agente Comunitário de Saúde (ACS) deve orientar medidas de prevenção e controle disponíveis como a manutenção dos ambientes bem ventilados e com entrada de sol, se possível, principalmente em locais com aglomerações de pessoas, como escolas, locais de trabalho e transporte coletivo. Orientar ainda lavar as mãos frequentemente com água de sabão. Manter higiene rigorosa dos utensílios domésticos e manter a carteira de vacinação em dia.(1,2)

A atribuição do ACS frente a uma doença infecto contagiosa, como a Meningite, é a de desenvolver atividades de promoção da saúde, de prevenção da doença e agravos e de vigilância à saúde, por meio de visitas domiciliares e de ações educativas individuais e coletivas nos domicílios e na comunidade.(1)

A transmissão da doença ocorre através do contato direto pessoa a pessoa com secreções respiratórias de pessoas infectadas. Condições socioeconômicas menos privilegiadas, infecção respiratória recente, portadores de HIV, fumantes, viajantes para áreas epidêmicas e portadores de imunodeficiências são condições consideradas de risco.(2) Os principais sintomas da doença são o início súbito com febre, vômitos, dor de cabeça, rigidez de nuca e convulsão. Pode apresentar também prostração, fobia a luz e alteração do nível de consciência, dentre outros sintomas.(2) O risco de doença entre os contatos próximos é maior durante os primeiros dias após o início da doença, o que requer que seja feita a quimioprofilaxia, sendo assim indicada para os contactantes de casos suspeitos de doença meningocócica.(2) Contatos próximos são os moradores do mesmo domicílio, indivíduos que compartilham o mesmo dormitório (em alojamentos, quartéis, entre outros), comunicantes de creches e escolas, e pessoas diretamente expostas às secreções do paciente. O papel do ACS nessa situação é de comunicar a equipe de saúde da família a existência de contactantes do indivíduo infectado pela meningite, para que seja feita a quimioprofilaxia com brevidade, na Unidade Básica de Saúde.(2)

Bibliografia Selecionada

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. (Série E. Legislação em Saúde) – Brasília : Ministério da Saúde, 2012:110p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde : volume 1 – 1. ed. atual. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017:250p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_volume_1.pdf