Quais as causas e tratamento para disfagia esofágica?

São várias as causas de disfagia, mas as mais relevantes estão associadas a problemas do esofago e quanto ao manejo, sempre tentar identificar e tratar causa(s) subjacente(s).(¹)

A disfagia esofágica pode ser mecânica, (devido ao estreitamento anatômico do lúmen esofágico) ou funcional, (devido a função motora desordenada no esôfago). As medidas não específicas recomendadas para todos os pacientes afetados por disfagia incluem:(¹) ►Mastigar corretamente os alimentos; ►Manter postura ereta enquanto come; ►Evitar refeições apressadas. Com relação ao tratamento medicamentoso, a domperidona e a metoclopramida, são um procinético, e age como antagonista do receptor da dopamina D2. Dentro do trato gastrointestinal, a ativação dos receptores de dopamina inibe a estimulação do músculo liso colinérgico; Acredita-se que o bloqueio desse efeito seja o principal mecanismo de ação desses agentes. Eles aumentam a amplitude peristáltica do esôfago, aumentam a pressão do esfíncter esofágico inferior e aumentam o esvaziamento gástrico, mas não têm efeito sobre o movimento do intestino delgado ou do cólon. A domperidona também bloqueia os receptores D2 da dopamina na zona de gatilho quimiorreceptora da medula (área postrema), resultando em potente ação anti náusea e antiemética,(¹) e possui efeitos centrais quando comparada com a metoclopramida.(2) Acrescentamos que a domperidona é disponível nos EUA como novo medicamento de investigação pela Food and Drug Administration (FDA), receitada mediante protocolo específico, portanto não é liberada para prescrição livre como no Brasil.(1,3,4) A posologia adequada seria de 10 mg 20 a 30 minutos antes das refeições, três vezes ao dia. Apesar de não ter evidências consistentes, aparentemente a Domperidona é bem tolerada em uso prolongado, mas recomenda-se usar a dose efetiva mais baixa pelo menor tempo necessário, até se identificar a causa da disfagia.(²) Atributos da APS: Integralidade do cuidado: Nem sempre a primeira escolha medicamentosa é a melhor escolha para uma determinada pessoa. Por isso o conceito de clínica centrada na pessoa deve ser incorporado à prática das equipes de APS. Sugerimos ainda a leitura do artigo de alerta sobre uso de domperidona emitido em 01 de setembro de 2014 pela European Medicine Agency. Disponivel em português em: http://www.ema.europa.eu/docs/pt_PT/document_library/Referrals_document/Domperidone_31/European_Commission_final_decision/WC500172573.pdf SOF Relacionada: Telessaude Rio Grande do Sul. BVS APS.  Segunda opinião formativa – SOF n. 5300 [internet]. 17 mai 2011. Acesso em 12 set 2017. Disponível em: http://aps.bvs.br/aps/quais-as-indicacoes-de-endoscopia-digestiva-alta-em-pacientes-com-sintomas-dispepticos/