Que estratégias os Agentes Comunitários de Saúde podem adotar durante as visitas domiciliares para estimular a realização da prevenção do câncer de colo de útero?

Diversas são as estratégias que podem ser utilizadas pelos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) durante as visitas domiciliares para estimular as pacientes para realização da prevenção do câncer de colo de útero. Nos casos de pacientes com problemas mentais, sugere-se que sejam utilizados folhetos ilustrativos que contenham a explicação de como é realizada a coleta do material e que o ACS explique detalhadamente como é realizado o procedimento, quais seus benéficos e os riscos de não fazer. Algumas Unidades de Saúde dispõe de vídeos ou manequins os quais podem ser apresentados para que o entendimento seja ainda melhor.
Os ACS devem facilitar o acesso a consulta, agendando nos horários preferenciais para essa paciente e caso seja necessário podem solicitar ao médico ou a enfermeira que realizem uma visita domiciliar para fortalecer o vinculo antes do exame.
Caso a paciente tenha dois exames consecutivos normais (realizados um em cada ano) ela poderá repetir seu exame após 3 anos, mas isso deverá ser discutido com o seu médico assistente. Para as pacientes que mantém relações sexuais, porém não possuem nenhum grau de entendimento da necessidade da coleta do exame deve-se conversar com o responsável pela paciente.
De acordo com o Ministério da Saúde algumas facilidades devem ser previstas para facilitar a abordagem de todas as mulheres e incluem:

  • planejamento da marcação de consultas;
  • prestação de informações à mulher, de maneira clara e correta, sobre a seqüência de orientações após o recebimento dos resultados e de outros procedimentos a serem realizados;
  • estímulo à mulher a tirar suas dúvidas sobre o procedimento, respondendo-as adequadamente;
  • colocação de cartazes nas unidades, com a técnica da coleta do exame, o fluxograma de condutas a partir dos exames citopatológicos, indicação da rede de referência, e informações às mulheres orientando os cuidados necessários para a realização dos exames (não ter relações sexuais e nem utilizar duchas vaginais ou medicações intravaginais nas 48 horas antes do exame e não encontrar-se menstruada – sangramentos atípicos devem ser investigados);
  • checagem das listas de consultas estimulando os médicos e enfermeiros a convidarem as mulheres alvo a realizarem o exame citopatológico;
  • identificação de um funcionário sensibilizado a convencer as mulheres nas salas de espera para a realização do citopatológico (é importante que a agenda tenha horários livres para a realização destes exames);
  • desenvolvimento de palestras educativas em lugares públicos, tais como eventos comunitários ou religiosos;
  • preparação das instalações para o oferecimento à mulher de um local confortável e com privacidade para o exame;
  • incentivo à mulher a adotar hábitos saudáveis de vida, ou seja, estímulo à exposição aos fatores de proteção do câncer como hábitos alimentares saudáveis (com baixo teor de gordura, sal e açúcar; aumento de grãos integrais, tubérculos, vegetais e frutas) e atividade física regular.