Quais as indicações para a eletroconvulsoterapia (ECT)?

A eletroconvulsoterapia (ECT) é um tratamento biológico que a partir de uma convulsão induzida propõe benefícios terapêuticos para alguns quadros de transtornos psiquiátricos. Os avanços na anestesia e equipamentos de estimulação elétrica, a utilização de eletrodos e as formas de pulso melhoraram os efeitos colaterais e a segurança no tratamento que no início de sua utilização era marcadamente agressivo a integridade física, psíquica e aos direitos do paciente.

As indicações para a eletroconvulsoterapia são: Depressão maior (episódio único ou recorrente); Transtorno afetivo bipolar (episódio depressivo, maníaco ou misto); Esquizofrenia não-crônica (sintomatologia afetiva ou catatônica proeminente), Transtorno esquizoafetivo, Transtorno esquizofreniforme.. Outros aspectos que devem ser considerados são: a idade do paciente, padrão de resposta prévio, comorbidade clínica e gravidade dos sintomas e risco também deverão ser considerados na decisão da indicação da ECT.

Em relação aos cuidados durante o tratamento clínico deve ser observado que atualmente a ECT deve ser realizada com sedação ou anestesia conduzida por um profissional médico especializado, o paciente deve ser monitorizado antes, durante e após a realização do procedimento por um enfermeiro, e o procedimento deve ser realizado por um profissional médico capacitado para o mesmo em um ambiente seguro (clinicas e hospitais com infraestrutura adequada) para garantir a segurança do paciente. O paciente pode ou não estar internado para realização das sessões de ECT, dependendo do quadro clínico e psiquiátrico do mesmo.

Teleconsultor: Amanda Márcia dos Santos Reinaldo