Quais estratégias podem ser desenvolvidas na Atenção Primária para intervir diante de possíveis situações conflituosas entre adolescentes?

Os profissionais de saúde podem desenvolver atividades no âmbito da Estratégia Saúde da Família (ESF) para ajudar o público adolescente a resolver conflitos de forma não violenta, através da mediação, da negociação e impulsionando esses jovens à compreensão da diversidade, da tolerância, do combate ao bullying, ao preconceito e à discriminação, estabelecendo relações de respeito mútuo e estreitando o índice de agressões e violência no ambiente familiar. Além disso, ressaltamos que é importante também estabelecer parceria com demais seguimentos sociais, como a escola, o Conselho Tutelar ou até mesmo com o Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) para ajudar na resolução de conflitos e/ou promover a negociação.(3,4)

As situações conflituosas entre adolescentes podem ser prevenidas, tendo em vista que a Estratégia Saúde da Família (ESF) pode contribuir para evitar a violência por meio da promoção da cultura da paz, mediando no enfrentamento dos problemas e conflitos de forma não violenta, respeitando as diferenças e defendendo os direitos das pessoas, pois ser pacífico não significa necessariamente ser passivo, mas tomar uma atitude positiva diante dos problemas.(1) Dessa forma, a Organização das Nações Unidas (ONU) define cultura da paz como um conjunto de valores, atitudes, tradições, comportamentos e estilos de vida de pessoas, grupos e nações baseados no respeito pleno à vida e na promoção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais, na prática da não violência por meio da educação, do diálogo e da cooperação, podendo ser uma estratégia política para a transformação da realidade social.(1,2) Os profissionais de saúde desempenham um importante papel ao contribuir para a prevenção da violência familiar e, em se tratando de um fenômeno multicausal, é importante abordar com os adolescentes temas como virtudes, valores sociais, ética, solidariedade, por meio de questionamentos e atividades educativas de conscientização e sensibilização, pois falar em Educação para a Paz é articular ações e atividades relacionadas à formação de pessoas de bem, com respeito, dignidade ao próximo, que pensem e ajam de forma pacificadora, ou seja, cidadãos conscientes em melhorar a vida e o ambiente em que vivem. (1,2,3)