Quais opções de insulinização do paciente com diabetes mellitus tipo 2?

Embora existam outras alternativas na insulinização, restringiremos nossa abordagem aos três tipos disponíveis nos sistema público de Belo Horizonte e com os quais os profissionais de saúde devem lidar no nível de atenção primária. Ressalta-se que todas as insulinas apresentam, em menor ou maior grau, como efeitos adversos o risco de hipoglicemia e ganho de peso. A observação das características descritas nestes quadros é importante para compreensão dos esquemas de insulinização.
Insulina de ação ultrarrápida (Humalog® (lispro), Novorapid® (aspar), Apidra®)

Início de ação 5 a 15 minutos
Pico 30 a 60 minutos
Duração 3 a 5 horas
Informações adicionais Podem ser injetadas imediatamente antes as refeições. Possuem farmacocinética em bolus similar ao mecanismo fisiológico de secreção de insulina. Tem aparência límpida.

Insulina de ação rápida (Insulina Regular – Humolin®R, Novolin®R)

Início de ação 30 minutos
Pico 2 a 3 horas
Duração 3 a 6 horas
Informações adicionais Devem ser injetadas de 30 a 45 minutos antesdas refeições. Tem aparência límpida

Insulina de ação intermerdiária (Insulina NPH – Humolin®NPH, Novolin®NPH)

Início de ação 2 a 4 horas
Pico 4 a 12 horas
Duração 12 a 18 horas
Informações adicionais Tem aspecto turvo

Quando a insulina é combinada com agentes orais, a NPH é preferível à Regular. O efeito basal da NPH melhora a glicemia noturna e de jejum (facilitando a ação dos  fármacos orais), enquanto o efeito de bolus da Regular diminui o pico pos-prandial da glicemia. Assim, a NPH é usada comumente antes dos pacientes se deitarem (“bedtime”) para suplementar a terapia hipoglicemiante oral. Essa insulina “bedtime” deve ser feita após às 21 horas,a fim de se evitar hipoglicemias durante a madrugada (que seria consequente ao pico de ação da NPH se injetada mais cedo).
Os novos agentes de rápida/ultrarrápida duração têm uma ligeira vantagem sobre a insulina regular no controle dos pacientes, com maior previsibilidade de ação, maior comodidade, menor risco de hipoglicemias pós-prandial tardias e menor ganho de peso. Contudo, são mais caras, pouco disponíveis e sem estudos a longo prazo na literatura¹.

SOF Relacionadas:
  1. Quando insulinizar o paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  2. Quando iniciar insulina para um paciente com Diabetes tipo 2?
  3. Como insulinizar o paciente com DM2? Com quais doses começar?
  4. Pacientes diabéticos em uso de insulina podem receber apenas uma aplicação diária? Podem ser usados hipoglicemiantes orais em associação à insulina para pacientes com DM tipo2?
  5. Qual o melhor regime de tratamento com insulina para crianças com Diabetes Mellitus tipo 1: intensivo ou convencional?
  6. Qual medicação usar em pacientes diabéticos tipo 2, usando metformina + glimepirida em dose máxima, sem controle adequado da glicemia? Deve ser iniciada a insulinoterapia?
  7. Quando iniciamos a insulinoterapia, é melhor uma dose noturna de NPH, pois há melhora do controle glicêmico por inibir a gliconeogênese hepática?