Quais orientações sobre vacinação o ACS pode fornecer para a comunidade?

As vacinas permitem a prevenção, o controle, a eliminação e a erradicação das doenças imunopreveníveis, assim como a redução da morbimortalidade por certos agravos, sendo a sua utilização bastante custo-efetiva¹.

O acompanhamento dos cartões de vacina é uma das atribuições fundamentais e prioritárias no trabalho do Agente Comunitário de Saúde (ACS), principalmente a verificação periódica da Caderneta de Saúde da Criança, desenvolvendo ações de prevenção de doenças e agravos e de promoção à saúde.

As orientações sobre vacina que podem ser fornecidas durante as visitas domiciliares ou em reuniões com a comunidade são: * Divulgar campanhas de vacina, espalhando a notícia para o maior número de pessoas, elaborar cartazes com letras grandes, de forma criativa, e divulgar a informação nos lugares mais frequentados da comunidade; * Identificar os conhecimentos, dúvidas, crenças, mitos, tabus e preconceitos sobre as vacinas, estimulando a reflexão sobre os benefícios para a saúde da comunidade; * Acompanhar o usuário em esquema vacinal e orientá-lo quanto à importância de concluir todas as doses prescritas; * Devem ser orientados a procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS): os usuários que não tiverem o registro (cartão e caderneta de vacinação) da aplicação das vacinas; aqueles que não comparecerem no dia agendado para a vacinação; os usuários que não tiverem a marca (cicatriz) da vacina BCG no braço direito, após seis meses da aplicação da vacina; e também aqueles que apresentarem qualquer queixa após a aplicação da vacina; * Identificar pessoas vítimas de agressão por animal e encaminhá-los à unidade básica de saúde para avaliação e profilaxia da raiva humana, quando necessário; * Orientar os donos de cães e gatos sobre a importância da vacinação antirrábica canina e felina; * Compartilhar com a equipe da Unidade de Saúde as informações colhidas durante a visita domiciliar. O incentivo ao cumprimento do calendário vacinal e a busca ativa dos faltosos às vacinas estão entre as principais ações de saúde, diminuindo assim, doenças e mortes por causas infecciosas e preveníeis. COMPLEMENTAÇÃO - A Política Nacional de Atenção Básica, estabelecida em 2006, caracteriza a atenção básica como “um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde”. A Estratégia de Saúde da Família (ESF), implementada a partir de 1994, é a estratégia adotada na perspectiva de organizar e fortalecer esse primeiro nível de atenção, organizando os serviços e orientando a prática profissional de atenção à família. No contexto da vacinação, a equipe da ESF realiza a verificação da caderneta e a situação vacinal e encaminha a população à unidade de saúde para iniciar ou completar o esquema vacinal, conforme os calendários de vacinação. É fundamental que haja integração entre a equipe da sala de vacinação e as demais equipes de saúde, no sentido de evitar as oportunidades perdidas de vacinação, que se caracterizam pelo fato de o indivíduo ser atendido em outros setores da unidade de saúde sem que seja verificada sua situação vacinal, ou haja encaminhamento à sala de vacinação¹. ATRIBUTOS APS - Ações de promoção à saúde são aquelas que vão contribuir para proporcionar autonomia ao indivíduo e à família, com informações que os tornem capazes de escolher comportamentos que vão favorecer a sua saúde, relacionadas ao modo de viver, condições de trabalho, educação, lazer e cultura. O agente comunitário de saúde (ACS) tem um papel importante no acolhimento, pois é um membro da equipe que faz parte da comunidade, o que ajuda a criar confiança e vínculo, facilitando o contato direto com a equipe (2). É necessário que exista entre a comunidade e os profissionais de saúde uma relação de confiança, atenção e respeito. Essa relação é uma das principais características da reorganização do processo de trabalho por meio da Saúde da Família e se dá na medida em que os usuários têm suas necessidades de saúde atendidas. O ACS, quando exerce suas atribuições de maneira adequada e dedicada à saúde da população, é um ator fundamental da equipe de ESF, visto que pode utilizar sua capacidade de comunicação com os moradores para exercer um papel de liderança na comunidade.

Bibliografia Selecionada

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/dezembro/11/Manual-procedimentos-vacinacao-web.pdf
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. O trabalho do agente comunitário de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, departamento de Atenção Básica. Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 84 p. : il. – (Série F. Comunicação e Educação em Saúde. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_acs.pdf