Quais os cuidados de enfermagem diante de um paciente que faz uso de colostomia em domicilio?

Para os cuidados de enfermagem de uma pessoa adulta com colostomia, são destacados:(1,2,3)

– estimular a participação ativa da pessoa com colostomia ou seu cuidador, durante execução dos procedimentos e cuidados de enfermagem;

– realizar inspeção diária do estoma e região periestoma, orientando informar a equipe caso apresente alterações ou lesões no local e ausência de dejeções por três ou mais dias;

– realizar higiene do estoma, região periestoma e pele com água e sabão delicadamente, removendo fezes e demais resíduos, secando cuidadosamente;

– realizar a higiene interna do coletor com água em pequena quantidade e sem pressão;

– para realizar a troca da bolsa, é importante conhecer a durabilidade indicada pelo fabricante, e o ponto de saturação da placa, evitando o risco de descolamento e vazamentos;

– realizar a retirada da bolsa preferencialmente no momento do banho devido à facilidade de descolar o adesivo, evitando danos na pele;

– antes de inserir a bolsa, medir e recortar, ainda com o papel que protege a placa, o orifício utilizando o mensurador de estomas adequado ao paciente;

– com o recorte feito e a pele seca, retire o adesivo sobre a placa e aplique a bolsa diretamente na pele fazendo leve pressão em movimentos circulares em torno da flange da placa na área periestoma para uma melhor aderência. Caso seja necessário utilize um protetor cutâneo;

– inserir a bolsa preferencialmente com a abertura para baixo e fechar o fundo da bolsa coletora utilizando o clamp próprio;

– os pelos ao redor do estoma devem ser aparados com tesoura;

– orientar o esvaziamento da bolsa sempre que necessário ou quando atingir 2/3 do volume;

– estimular o paciente a proceder a limpeza para lavar ou esvaziar o conteúdo fecal da bolsa, se possível, desprezando no vaso sanitário;

– orientar exposição da pele ao redor do estoma ao sol da manhã (até as 10h), por 15 a 20 minutos, protegendo o estoma com gaze umedecida;

– orientar sobre hábitos alimentares, atividade física e sexual;

– orientar o paciente a levar um conjunto de placa e bolsa reserva junto com material de higiene quando sair;

– estimular o paciente e família na reabilitação social, pois o autocuidado é imprescindível para o alcance da qualidade de vida.