Quais os cuidados gerais para paciente com DM2 em insulinoterapia? Como monitorar?

Todo paciente em uso de insulina necessita de automonitorização frequente da glicemia capilar, pelo menos nas primeiras semanas, para ajuste de dose.
Se possível for, realizar glicemias capilares 3x /dia seria o ideal, pelo menos por uma semana, em horário alternados (alternar sempre a glicemia de jejum com dois desses outros horários: antes do almoço, 2 horas após o almoço, antes do jantar, duas horas após o jantar, antes de dormir); com estes dados pode-se fazer um ajuste mais preciso das doses de NPH e muito provavelmente inserir a insulina Regular pré refeições, após avaliar as glicemias capilares ao longo de uma semana.
De modo a alcançar o objetivo de HbA1C, as metas de glicose abaixo são normalmente necessárias:

  • glicose em jejum 70-130 mg / dl ( 3,89-7,22 mmol / L )
  • glicose pós-prandial ( 90 a 120 minutos após uma refeição ) < 140-180 mg / dL ( 10mmol / L)

Além dessas 3 medidas, oriente ao paciente sobre os sinais e sintomas da hipoglicemia e a sempre medir a anotar a glicemia quando os tiver, antes de ingerir algum alimento para aliviar essa hipoglicemia. Isso porque, muitas vezes, pacientes com hiperglicemias crônicas, “acostumam” com níveis altos de glicemia, e quando os níveis caem para o NORMAL, sentem sintomas. A persistência de níveis muito altos de glicemiasnesses pacientes diminui o número de receptores de glicose – GLUT4 – (down regulation), pela alta oferta. Então, quando os níveis de glicemia normalizam, o número de receptores ainda está baixo, e, mesmo com glicemia normal, pode “faltar” glicose no interior das células e aparecerem os sintomas. Isso só é corrigido, quando os níveis de receptores normalizam novamente, restaurando a razão receptor/glicemia.
Ainda sobre as hipoglicemias, aconselhe a ingestão de frutas durante as crises, deixando o uso de “doces” e idas ao pronto atendimento para os casos mais graves.
Quanto à aplicação da insulina, encaminhe o paciente ao profissional de enfermagem para orientações sobre a aplicação correta e confira posteriormente como o paciente está aplicando. Lembrar que a insulina de frasco não deve ser utilizada após 30 dias de aberta.
Quando em uso concomitante de insulina regular e NPH em algum horário, reforçar que se deve sempre aspirar a Regular primeiro (caso contrário, “contamina” a Regular com a NPH e essa perde seu efeito “rápido”).
Orientar a correta aplicação das injeções e rotatividade das áreas infiltradas.
Por fim, não abster dos cuidados gerais e rotineiros do paciente diabético, como a observação do “pé diabético” e exames laboratoriais periódicos, utilizando-se para isso da integralidade do cuidado, que é um dos princípios do SUS.

SOF Relacionadas:
  1. Quais as orientações de enfermagem para prevenir hipoglicemia em pacientes diabéticos?
  2. Quantas vezes reutilizar uma seringa para aplicação de insulina?
  3. O que fazer quando o paciente com DM2 em uso de insulina basal, mantem o controle glicêmico insatisfatório?
  4. Como insulinizar o paciente com DM2? Com quais doses começar?
  5. Quais opções de insulinização do paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  6. Quando insulinizar o paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  7. Qual a orientação para a aplicação da mistura de insulina NPH com insulina regular?

Bibliografia Selecionada

  1. American Diabetes Association. “Standards of medical care in diabetes—2014.” Diabetes Care 37. Supplement 1 (2014):S14-S80.
  2. Inzucchi, Silvio E, et al. Management of hyperglycemia in type 2 diabetes: a patient-centered approach position statement of the American Diabetes Association (ADA) and the European Association for the Study of Diabetes (EASD). Diabetes care. 2012;35(6):1364-79.
  3. Dewitt, Dawn E, Hirsch, Irl B. Outpatient insulin therapy in type 1 and type 2 diabetes mellitus: scientific review. Jama. 2003;289(17):2254-64.